[ editar artigo]

A arte de se relacionar

A arte de se relacionar

 

Um relacionamento conjugal pode ter cumprido sua missão e mesmo assim ambos podem se respeitar mutuamente.

Ainda que sobrevenha uma separação não significa que os ex precisam travar uma guerra entre si. É possível se separar em paz. 

Já fui mal interpretada pela minha forma de olhar para os relacionamentos.

Estava conversando com um interessado em potencial (vulgo “pretendente”) ele ao perguntar do meu relacionamento com o “pai do meu filho” achou estranho quando eu disse que a gente se dava muito bem e que nós nos respeitávamos e tínhamos uma boa comunicação, mesmo pós separação.

Ele questionou se eu ainda gostava do ex e se tinha interesse em voltar. Eu disse que não e que apenas respeitava o pai do meu filho, reconhecia e honrava o meu passado. 

Ele achou isso muito estranho e ficou com a impressão que gostava ainda do ex, mesmo eu contando que a opção pelo fim do relacionamento foi minha. 

Provavelmente ele não estava reconciliado com os relacionamentos anteriores dele e achava absurdo eu “me dar bem” com um ex.

Estar reconciliado é olhar para os relacionamentos anteriores honrando e agradecendo por tudo que foi possível aprender naquela relação.

Carregar raiva ou qualquer outro sentimento negativo é continuar carregando o outro consigo. É não deixar que o outro siga seu destino e não seguir o seu próprio destino.

Por isso, eu honro meus relacionamentos.

Nosso filho é o bem mais precioso que eu tenho. E sou grata por isso.

O filho é a materialização de um um vínculo que nunca se desfaz.

No filho, pai e mãe estarão para sempre juntos, pois o filho é metade pai e metade mãe e algo mais. E mesmo que haja uma separação do casal os pais nunca deixam de ser pais. 

Quando os filhos percebem que os pais se respeitam eles têm potência para crescer e se desenvolver sem se preocupar em defender um ou outro, podem crescer em um ambiente seguro e de afeto.

Nutrir raiva e sentimentos ruins com certeza afeta os filhos e o que os pais querem é a felicidade dos filhos.

Dentro de uma separação é importante saber que cabe a cada um 50% de responsabilidade pelo fim do relacionamento, nem mais nem menos.

Outra coisa, tem gente que diz que o relacionamento não deu certo. Deu certo sim, até aquele momento deu certo. Depois cada um seguiu seu destino. 

Obs: a foto foi tirada quando já éramos separados

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
MILENA PATRICIA DA SILVA
MILENA PATRICIA DA SILVA Seguir

Sou mãe do pequeno Henrique, escritora professora de Direito Sistêmico, Advogada, pesquisadora, terapeuta, master e coach em PNL, doula, apaixonada pelo cuidar do ser, pelo conhecimento, pelos livros e pela vida e por chá de manjericão.

Ler conteúdo completo
Indicados para você