[ editar artigo]

A MATERNIDADE NÃO PEDIU LICENÇA: RELATO DE UMA CONSTELAÇÃO

A MATERNIDADE NÃO PEDIU LICENÇA: RELATO DE UMA CONSTELAÇÃO

Na sexta passada, minha amada amiga Marcinha (Márcia Regina Valderamos) iria conduzir a Constelação. Eu estava conectada a ela e havia enviado uma mensagem para que Deus a abençoasse, pouco tempo antes da Constelação. 

Quando começamos, a conexão dela começou a travar. Confesso que fiquei nervosa e, na meditação feita pela amada Sizumi, me esforcei para que a conexão dela voltasse. 

Quando a Marcinha se manifestou dizendo que não conseguia ver as pessoas, porque a conexão estava muito ruim, pensei em me oferecer para ajudar. Apesar de aflita, decidi esperar mais um pouco… Até que Marcinha me ligou e pediu para que eu conduzisse. Eu aceitei, pois estava e estou a serviço. Marcinha me falou um pouco sobre o tema e os representantes que colocaria. Segui a orientação dela, com total confiança. 

O tema era Maternidade, que já tinha me aparecido neste mesmo dia através de outra cliente (de psicoterapia). 

Tive medo do improviso, pois foi a primeira vez que me deparei com essa situação. Costumo me preparar bastante para facilitar uma constelação. Faço um atendimento prévio com o cliente, me conecto ao campo dele, escrevo, medito, me conecto novamente, medito e escrevo, faço as devidas reverências… Tenho um ritual sagrado. Naquele momento, tive que me desapegar desse ritual e me entregar ao desconhecido. Mas, como me considero uma pessoa corajosa, disse Sim.

“Ir com medo mesmo” é um dos meus lemas. 

Então, começamos a Constelação. Inicialmente, quando o Sintoma falou, ouvi vozes de crianças. Elas estavam no campo e puderam ter o seu lugar com a renomeação do representante depois.

O Masculino queria sumir de lá, a Cura estava bastante enfraquecida… Muitas pessoas estavam com a conexão ruim, indicando Segredos. 

A tataravó indígena pôde ser vista e honrada, através do campo e dos estímulos musicais. 

Quando falei sobre os Segredos, a representante do Feminino disse que era ela quem os representava. Neste momento, me veio muito fortemente o fato de que várias mulheres daquele sistema haviam sofrido violência sexual. Se eu agisse pela mente, eu não falaria sobre isso. Mas a informação me veio de maneira tão forte que tomou conta do meu ser. Eu Precisava falar. Estava sendo apenas um instrumento de cura para aquele sistema. Quando falei, a representante dos Segredos chorou profundamente.

Que Alívio!

Então, o Eu pediu por sua mãe. Neste momento, apareceu um cachorro na tela da representante da Cura e eu senti que a Cura seria a Mãe. Decidi perguntar se algum dos representantes se sentia como Mãe e a Cura respondeu que sim. 

Foi lindo! Houve a Permissão para que a cliente se tornasse Mãe.

A Fertilidade apareceu. 

Eu fiquei com o coração tão agraciado! A cliente estava feliz e recebeu as bênçãos de sua mãe para a Maternidade! Os corações ficaram aquecidos, juntinhos. 

Após a Constelação, permaneci uns dias bastante emocionada e introspectiva. Até agora, me percebo tentando assimilar tudo o que aconteceu… Não consigo. Existe um Universo oculto belíssimo que nos faz dançar a Vida, dançar com a Vida.

 

Gratidão às amadas: cliente, amiga Marcinha e mestras Olinda e Sizumi. 

  

Obs.: o relato foi publicado com a autorização da cliente. 

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Juliana Menuzzo Lauandos
Juliana Menuzzo Lauandos Seguir

Sou psicóloga, terapeuta sistêmica, consteladora, simples e poética! Sou filha de Jorge e de Maria Lázara. Sou aprendiz de Olinda Guedes e da equipe da Escola Real. Sou feliz!

Ler conteúdo completo
Indicados para você