[ editar artigo]

A PRIMEIRA "CARONA" DE CONSTELAÇÃO A GENTE NUNCA ESQUECE

A PRIMEIRA

Sou REGINA LÚCIA, tenho 66 anos, aposentada do Magistério, onde trabalhei até 58 anos. Sou Terapeuta holística, trabalho com Reik, Shiatzu, Florais de Minas.

Já tinha ouvido falar das "Constelações".

Minha filha tinha feito uma mas foi orientada a não comentá-la, por um período, para que não fosse tirada tirada a força da ação. De repente comecei a ter insigths da Constelação dela. Eles vinham com uma força e uma veracidade que não tinha dúvidas. Fui colocando para ela o que estava acontecendo.

Ela brincou: "Eu que fiz a Constelação, mas a constelada foi você. Em mim não teve essa força"

Isto me despertou a curiosidade. A Constelação dela foi feita em outro estado, impossível conhecer a facilitadora. Precisava entender aqueles movimentos que aconteciam na alma. Veio a Pandemia, a restrição de contato físico, acabei ficando com um bom tempo livre.

Era hora de preenchê-lo com algo novo:"AS CONSTELAÇÕES".

Assisti as 'IMERSÕES' de OLINDA GUEDES, as achei didáticas, de fácil entendimento, acessíveis. me matriculei, até aí tudo bem. Mas como sou analfabeta tecnológica, senti mil dificuldades com a plataforma, com o ZOOM, melhor seria desistir.

Quando ia cancelar a Sizumi me liga e me coloca dentro da sala de aula. Foi a primeira "carona", não vou esquecer nunca. A constelação trabalhou o tema "Abortos". Você olhar aquela arquitetura humana, ouvindo "Pequenina", ressoou em mim com tanta força que chorei por todos do meu sistema, que foram excluídos, não vistos.

Minha família é de formação católica, este assunto sempre foi tabu, não se comentava. Fui buscar entender aquele movimento na minha alma e descobri, pesquisando, que minha avó paterna criou quatro filhos mas teve quatorze abortos.

Minha mãe teve cinco filhos e para cada um sobrevivente havia um aborto. Sabia que minha mãe tinha tido aborto, só isso. Por falta de diálogo tudo virava segredo que o tempo acobertava mas a alma gritava. Sempre me senti "inadequada", no lugar errado, invisível, mas a partir dessa "carona" , algo dentro de mim suavizou, ficou mais calmo.

Achei o meu lugar de pertencimento.

Sizumi, obrigada pelo préstimo, atenção,, eficiência. Você leu o campo e sem me conhecer, me buscou e me colocou dentro dele, eterna gratidão.

Olinda Guedes, realmente só  amor cura,  seu olhar amoroso, atento, cuidadoso, imantou o campo e como um colo de mãe nos curou, nos maternou com sua delicadeza.

Meu reconhecimento e o meu muito obrigado pela sua entrega.

Gratidão, Susy Guedes, pelas palavras de força e fé e pela entrega dessa voz maravilhosa, especialmente quando canta "Pequenina", embala a criança interior de cada um, nos fazendo acreditar que tudo pode ser possível e melhor.

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Ler conteúdo completo
Indicados para você