[ editar artigo]

AS NOITES ESCURAS DA MINHA ALMA!

AS NOITES ESCURAS DA MINHA ALMA!

Confesso que este módulo, de forma bem particular, foi o mais intenso.

Aliás, todos foram muito fortes e dolorosos, mas de um crescimento pessoal magnífico.

Mas tomar consciência das noites escuras no âmbito da constelação, como sempre, foi libertador.  

O livro de São João da Cruz: A Noite Escura da Alma, sempre me fez refletir sobre a alma, sobre estar perto de Deus no consolo.

Mas desta vez foi muito profundo pois me levou a olhar dentro do meu sistema, da grande alma.

Entender cada dor carregada por meus antepassados e hoje por alguns membros do meu sistema foi muito gratificante porque sei que podemos seguir em frente. Mas é necessário olhar para cada uma delas e deixar perceber que são vistas, entendidas e que não estão sozinhas.

É preciso conhecer essas memórias traumáticas para não estar paralisada diante de algumas situações.

Como a depressão é a imperfeição do amor, ou seja, o jeito mais lento de morrer e é causado por uma memória transgeracional traumática, tenho perguntado sempre aos meus antepassados:

O que aconteceu lá atrás que ainda não sei e que vêm para o presente na forma de depressão em diversas pessoas da família?

O silêncio agrava a depressão, a tornando na noite mais escura da alma.

Parece que não tem saída tais sofrimentos coletivos e individuais.

Ao estudar esse módulo, uma das tarefas era escrever sobre as noites escuras, ou seja, sobre o sofrimento que faz parte do meu sistema.

Como moro distante e nem sempre ligo, ou pergunto por problemas de saúde, tive que telefonar para as tias avós.

E para minha surpresa, há muitos sofrimentos em meu sistema.

Há muita dor na grande alma, há muitos segredos que ainda precisam vir à tona. Mas o que mais me chocou foi descobrir que há muitas crianças que não nasceram, ou nasceram e morreram logo em seguida e isso era visto como normal e em todas as famílias alguém morria.

E isso continua acontecendo no momento presente. A geração dos meus sobrinhos e primos também está presenciando as crianças não nascidas.

E fico me perguntando:

Para onde elas estão olhando e quem estão seguindo?

Ainda está escuro para mim, mas sei que vamos encontrar a solução e a cura.

Na medida em que vou aprendendo, vou vendo melhor e fazendo as perguntas certas para as respostas que ainda não tenho.

A noite escura da alma que também é muito presente em meu sistema são problemas nos joelhos e articulações.

Já somos vários que passaram por procedimentos cirúrgicos, mas que não resolveram o problema. Ao estudar nas constelações entendi que nosso sistema está numa travessia muito dolorosa da noite escura, porque alguém, ou grande parte dos antepassados sofreram muito para garantir a vida.

As mulheres do meu sistema são guerreiras.

Muitas ficaram viúvas novas ou foram abandonadas pelos maridos.

Os viúvos casaram novamente, mas as mulheres não podiam.

Estavam marcadas para permanecerem sós com seus filhos: outro sofrimento de meu sistema.

As pessoas morrerem muito novas e os que não morrem sofrem com algum tipo de esquizofrenia.

Muitos jovens caem no vício da bebedeira, fazendo os pais sofrerem.

São descobertas que venho fazendo desde que iniciei o curso.

Estou muito aguçada nas investigações para passar da noite escura da alma para o dia. E nesse caminho, descobri que um tio, irmão de meus avós, cometeu suicídio e seus filhos nunca aceitaram o fato, pois o pai era maravilhoso.  

Mas como toda noite escura é acompanhada de uma manhã ensolarada, sei que estou no caminho para religar os fios que foram cortados, quebrados, desamarrados e soltos que resultará na cura, devolvendo a ordem e a harmonia aos meus antepassados.

Como aprendemos que nascemos e vivemos na época certa, sei que o presente é para meu sistema, oportunidade de curas das noites escuras da grande alma.

Tenho repetido sempre as frases de força no plural para que meu sistema vá encontrando seu caminho de cura:

Nós vemos vocês, nós sentimos muito, vamos ficar mais um tempo aqui e depois seguimos vocês.

Gratidão por toda a vida passada até chegar em nós.

Falar da noite escura da alma, foi constelar enquanto escrevia e fazia memória das coisas que ouvi.

Sinto que em cada aula, em cada fala, em cada anotação, as fichas vão caindo e a cura vai acontecendo.

Assim como São João da Cruz passou da treva para a luz, também eu estou fazendo um caminho de cura pessoal que atingirá meu sistema, minha grande alma.

Porque a noite escura nos oferece a oportunidade de crescer e aprender,  de transformar nossa vida e também das gerações futuras.

Ao entender a noite escura da alma, para mim foi muito importante tomar consciência mais uma vez de que não podemos ter e nem fazer julgamentos sobre o outro.

Sempre lembrar do tripé da luz divina nas noites escuras da alma: a compaixão, a caridade e a gratidão.

Porque a pessoa que está atravessando pela noite escura da alma, está fazendo isso pelo outro.

Elas carregam muita dor, muito sofrimento, muitos traumas que precisam de nossa interferência no processo de cura. Elas por si só não são capazes.

Passar por esse módulo, não foi fácil, pois exigiu muito de mim: procurar saber mais sobre meu sistema e entender minhas noites escuras.

Mas ao mesmo tempo foi lindo poder sentir a transformação pessoal e a coragem de enfrentar alguns medos, alguns traumas não entendidos.

Me sinto como se um peso tivesse saindo de meu corpo, estou mais leve e com menos dores.

A minha grande alma está se encontrando na aurora da vida: eu vejo vocês!

Eu sinto muito por vocês!

Eu reverencio cada um de vocês!

Eu honro todos vocês!

Gratidão pela vida e vamos atravessar juntos pela noite escura.     

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Alzenir Maria Severino Barbosa
Alzenir Maria Severino Barbosa Seguir

Sou Alzenir Barbosa, tenho 48 anos, sou a oitava filha de José Pedro Barbosa (já falecido) e Odete Severino Barbosa. Moro atualmente em Belo Horizonte para estudar.

Ler conteúdo completo
Indicados para você