[ editar artigo]

BORA PENSAR!

BORA PENSAR!

Rapaz, eu tava aqui
Vendo tudo no jornal,
As notícias são cruéis,
Mas também tem pessoal
Na rua, feito abestado,
Não ofendo animal.

Sabendo que tem um vírus
Que pega e mata gente,
Que tanto faz rico ou pobre
E sobra pra inocentes
Que nunca foi viajar
E morre feito indigente.

Todo dia, a saúde
Avisa: É perigoso!
Mas otário, de bobeira,
Dando uma de teimoso
Ariado, feito besta,
Passeando, pabuloso.

Não seja um abestado!
Deus nos dotou de razão
Cuide da vida de si
E também do seu irmão,
Só saia, se for o jeito,
Não se meta em multidão.

Esse vírus é cruel
E gruda feito aruá,
Acredite na Ciência
Que tá aí pra mostrar,
Se botar a corda no pescoço,
Não peça a Deus pra tirar!

Se puder ajudar alguém,
Faça isso, por favor!
Pois tem gente precisando
Nesse momento de horror
Toda vida vale a pena,
Do neto, do pai, do avô.

Ao patrão, tenha clemência!
Se fechou sua senzala,
Seu escravo voltará
Pra encher a sua "mala ",
Mas isso, se escapar
Da situação precária.

Retribua, piedade!
Ele precisa ,patrão,
Você, só não comprou joias,
Mas ele foi o feijão,
Seu filho, ficou sem Disney,
O dele, ficou sem pão.

Estamos no mesmo barco,
Esse vírus veio mostrar
Que o dinheiro do patrão
Nem tudo pode comprar,
Deixe o escravo em casa, agora
Pra muitas vidas salvar.

Já dizia Patativa
Uma verdade tão crua
"Os direitos são iguais "
E a vida continua
Se proteger os banqueiros
E os que moram na rua.

(Maria Luísa Alves, professora em Beberibe-Cascavel/CE )

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Ler conteúdo completo
Indicados para você