[ editar artigo]

CARTA AOS ANTEPASSADOS

CARTA AOS ANTEPASSADOS

Queridos antepassados, começo esta carta já aos prantos com um nó na garganta, ao som de "Bella ciao". É uma canção que fala de um homem que ao acordar, encontra um invasor e após isso decide lutar ao lado dos "partisans" da resistência italiana.

Queridas, queridos, fico a imaginar a dor de deixar a esposa e os filhos, para se botar numa guerra onde a certeza do retorno era improvável.

Onde se despediam já com dizeres de adeus e pedidos para seus túmulos. Ao trazer essas memórias sinto a força, a raça, o sangue quente circulando nas minhas veias.

Hoje percebo no fundo do meu coração o quanto carrego de cada um de vocês, bravos lutadores, guerreiros, ferozes, valentes, em cada ato uma memória que ressignifica.

Sou imensamente grata a vocês porque em meu DNA está essa valentia. 

Sinto muito por vocês terem passado por tanto sofrimento, tanta dor, imagino quanta fome de alimento, fome de viver, fome de amor, fome de retornar ao lar.

Me perdoe, foi o sentimento que me veio agora, creio que foi esse mesmo sentimento que ficou no coração das esposas, mães e filhos que por vezes só recebiam os documentos de volta, pois nenhum corpo era possível. Quanta tristeza invade a alma dos que ficavam e sem motivo para permanecer na Itália trataram de seguir outros rumos dentro de enormes navios.

Compreendo que a vida não foi fácil para os que aqui chegaram, procurando por um caminho livre. Se tornaram escravos, se sentiram presos não só pelas lembranças do passado, mas pela prática daquela que sem nenhuma compreensão, nenhum amor, faziam vocês trabalharem sem remuneração.

Eu vejo vocês, eu sinto vocês, eu vivo vocês, vocês permanecem em mim e eu os honro.

Por conta dos emaranhados que tenho com vocês, me vejo por vezes triste, esvaida, sem perspectiva de futuro. Mas agora, eu sei que posso fazer diferente, busco agora honrá-los sendo mais feliz, mas leve, mais plena de amor, cheia de vida. Os medos que trazia desse emaranhado já não me perturbam mais, a insegurança de não retornar ao lar não está mais comigo. O futuro me espera, vivo o hoje em razão de vocês. 

Enquanto escrevo isso, meu marido que é policial e vem se despedir para ir ao seu trabalho. Neste momento me veio um insight do porque busquei alguém que usa farda para ser meu parceiro de vida. Para que toda vez que eu o veja fardado eu possa me lembrar de vocês bravos guerreiros.

Como não pensei nisso antes?

Também destino esta carta a tantos homens e mulheres que buscavam nos benzimentos uma forma de ajudar aos que precisavam. A vocês antepassados da família materna eu agradeço os conhecimentos que chegaram até minha mãe e que em homenagem a vocês eu estou buscando aprender.

Aos antepassados da família paterna agradeço a prática de usar as mãos para os que necessitavam "arrumar os ossos". Meu querido paizinho, trago de você e dos seus esse dom maravilhoso. Hoje eu entendo o porquê da minha busca em aprender sempre mais sobre as técnicas de tantas massagens.

Mesmo que sabia fazer, ainda antes de ter cursos, porque "dom" ou dádiva não se aprende, nasce com a gente, ainda sim eu queria mais, cada vez que massageava uma pessoa e orava a Deus para que com minhas mãos eu trouxesse a cura para ela. Pronto, agora sim paizinho, eu me sinto preenchida me sinto capaz. Deus me ouviu e me apresentou a Massagem Reparentalizadora Sistêmica que cura até a nossa alma.

Todo esse tempo no alto dos meus 47 anos eu sinto que busquei, confiei, e me entreguei e agora posso seguir o fluxo da vida Graças a vocês meus queridos antepassados.

 

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Marisa Baldessar
Marisa Baldessar Seguir

Sou mãe da Kamila neste plano, e mãe de Marias e Josés q não puderam vir., Esposa do Valdecir Avó do Murilo Massoterapeuta Massagem Reparentalizadora Sistêmica Renascimento Sistêmico Aluna Real de constelações Sistêmicas T3

Ler conteúdo completo
Indicados para você