[ editar artigo]

Carta aos meus irmãos não nascidos

Carta aos meus irmãos não nascidos

Adão e Eva.

Adão Teixeira de Carvalho e Eva Teixeira de Carvalho. Esse é o nome que nossa mãe deu pra vocês.

Eu sinto muito. Eu sinto muito. Meu Deus como eu sinto. Eu que passei a vida toda me lamentando por não ter uma irmã mulher, mendigando carinho, atenção de amigas por não ter uma irmã para conversar e ser minha amiga, sendo que você sempre existiu, Eva. Eu sinto muito por não ter “visto” você. Por nunca ter dado um lugar pra você em meu coração. Mas agora você tem. Nossa, teria sido muito legal se você tivesse ficado aqui um pouco mais, o quanto teríamos brincado junto e eu não precisaria brincar naquela solidão, sempre sozinha. Não precisaria conversar sozinha como fiz a vida toda, porque de fato teria alguém ali pra conversar.

Brincaríamos juntas, conversaríamos, iríamos sair pra passear. Eu iria te ajudar com seus filhos, se na fase adulta você os tivesse e você me ajudaria com os meus.

Iríamos juntas para a escola e lá eu não precisaria sofrer tanta solidão, pois sei que você estaria perto de mim e me defenderia, sendo mais velha, do bullying que tanto sofri. Me ajudaria nas tarefas domésticas e a me defender quando os namoradinhos começaram a chegar e tive que enfrentar sozinha o ciúmes e a rigidez dos nossos pais. Talvez eu não seria tão “briguenta” e tão ranzinza, pois teria minha companheira feminina e não viveria tão cercada unicamente de masculinos (irmãos, primos...) sem ter quem me defendesse das maldades e crueldades dos moleques. Seríamos duas e uma defenderia a outra. Talvez brigássemos ou nos desentenderíamos, às vezes, mas isso faz parte da rotina, e logo faríamos as pazes novamente. E se você estivesse comigo, talvez não teria essa carência que tenho, esse “mendigar” amor das amigas e colegas que sempre tive a vida toda, nem sofreria tanto quando uma se afastasse, porque eu teria sua companhia. Tudo poderia ser muito diferente, mas será diferente de agora para frente, com você ocupando um lugar em meu coração.

Eu concordo se assim as coisas tiveram que ser. Eu digo sim. Agora sei que quando estiver falando sozinha, na verdade não é mais sozinha, mas com você, mesmo que ninguém entenda. Sei que não estou sozinha, pois sei que você estará comigo. Eu aqui. Você aí. Eu no mundo dos vivos, você no mundo dos mortos, para onde todos nós iremos um dia. Fico aqui, no mundo dos vivos, um pouco mais, mas logo vou para aí, e aí a gente poderá colocar toda nosso papo em dia. Mas até lá, vamos nos falando assim, pelo amor e pelos meios do amor e do coração, onde você agora mora de agora em diante.

Adão. Já à você, não sei se nossa convivência teria sido fácil não, kkkk, já que com o Onildo não foi. Você como “guri” entraria na dos meninos e provavelmente teríamos brigado muito, kkk. Coisas de criança. Mas teríamos brincado muito também. Ah, isso com certeza. As guerras de mamona, e guincho de água teriam sido bem mais animada se você e a Eva tivessem participado. Pensa na mãe? Se já quase enlouqueceu comigo e com o Onildo, imagina com nós 4, com idades tão próximas, brincando, brigando, lutando, correndo pela casa, comendo, aprontando sem parar. Nossa teria sido muito doido.

Coloquei a questão da comida, porque esse sempre foi um assunto muito tenso na nossa vida. Eu e o Onildo sentíamos muita vontade de comer as coisas gostosas, não podemos reclamar, mas as coisas eram muito difíceis na nossa infância, tudo muito simples e limitado. Fico às vezes me perguntando se esse paladar que tenho para coisas de criança (doces, sorvetes, comida não saudável, mas que criança adora) se isso não vem em partes do que faltou e em partes do que você Adão ou a Eva gostariam de comer, enquanto crianças. Mas vou te dizer uma coisa, se for isso, podem ficar tranquilos, que vou fazer de tudo para encontrar crianças gêmeas, ou irmãos de ambos os sexos, pobres como nossos pais eram na época, e vou me esforçar para oferecer para elas a oportunidade de comer coisas gostosas, coisas de criança, para que vocês não precisem ficar pedindo para eu comer. Eu já comi bastante, a vida foi muito generosa comigo, tudo que na infância faltou ou foi insuficiente, na fase adulta me foi proporcionado saborear com abundância. Já chega, já. Não preciso mais, nem vocês precisam mais ficar me pedindo, porque vou em busca de satisfazer crianças que realmente precisem e sintam vontade como nós sentimos no passado, mas hoje já não precisa mais. Eu entendi já. Obrigada por me mostrarem. Eu acolho tudo isso em meu coração e vou em busca dessa nova forma de agir em relação as gulodices, por vocês e por mim. Em partes já estamos fazendo, naquele projeto de doces em que entregamos doces para as crianças carentes no natal, esse será o sexto ano já, só que agora convido vocês para virem juntos e participarem de todo o processo e quando vermos aqueles sorrisos nos rostos daquelas crianças quando recebem o saquinho de doces, vamos imaginar que somos nós na nossa infância.

Adão e Eva eu dou um lugar para vocês em meu coração! Já está bom. Eu trouxe vocês em minha gordura abdominal todos esses anos como forma interna de dizer: “Eu nunca vou esquecer de vocês". Mas precisa mais disso. Eu não preciso mais carregar vocês em minha barriga. Agora carrego em meu coração. E está tudo certo.

Vocês vão continuar pertencendo e existindo. Eu amo vocês. Por favor, me perdoem. Eu sinto muito, por tudo o que foi, do jeito que foi, mas está tudo certo. Adão e Eva, vocês são grandes, eu sou pequena, vocês me precederam. Me perdoem se algum dia eu tentei substituir vocês, nunca tive a intenção de ocupar o lugar que era de vocês. A vida de vocês é de vocês, aí com vocês, eu não preciso mais ficar ocupando o lugar que é de vocês. Obrigada por me mostrarem. Gratidão. Por favor me abençoem para fazer diferente de agora em diante. Eu já aprendi. Obrigada por me mostrar. Mas agora eu faço diferente, vou viver apenas com aquilo que é meu, meu corpo, minha barriga, minha vontade de comer, minhas escolhas, por favor não me levem a mal, mas vocês continuarão ocupando o lugar que é de vocês, no nosso sistema e em meu coração. Sinto muito, sou grata, me perdoe, eu amo vocês: Adão e Eva.

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Lidiane Teixeira de Carvalho Frenhan
Lidiane Teixeira de Carvalho Frenhan Seguir

Mãe da Lívia, 17 anos e do Guilherme, 5 anos. Ex professora de matemática. Funcionária pública. Terapeuta SNT. Em busca de saber, conhecimento, saúde, felicidade e abundância. Um propósito pra minha vida.

Ler conteúdo completo
Indicados para você