[ editar artigo]

Como a cor dar?

Como a cor dar?

O dia amanheceu lindo...

Hoje acordei com outra gostosura de despertador. A voz aveludada de nossa doce Nina Maria.

Ela é ainda pequenina e não sabe ainda falar. Mas já tem expressão vocal. Que gostosura...

Geralmente ela acorda cantando.

Então lembrei de minha avó, de minha mãe. Pessoas com quem convivi cotidianamente até os meus 17 anos. Sinto tantas saudades.

Elas diziam: a pessoa precisa acordar feliz. Criança precisa acordar com amor, com cuidado.

Dr. Paulo Liberalesso, nosso médico-professor, nós adoramos ir em suas consultas porque aprendemos tanto. Não queremos demorar para voltar. Porque sempre aprendemos muito, muito. Ele disse: o susto é perigoso para o cérebro.

Bem, não vou me delongar aqui. Acho que ele mesmo, mais que ninguém, pode escrever sobre isso. Talvez já escreveu.

Mas o que quero dizer é que vivo tão feliz, tão plena. Sou tão grata à vida por tanto, por tanto que me dá, tanto, tanto.

E vou parando por aqui... porque isso vai se transformar em algo maior que eu imaginei.

Talvez eu atenda somente mais este ano. Porque realmente não estou dando conta de fazer isso com a dedicação merecida. Os clientes têm esperado muitos dias.

Amo meu trabalho, minha profissão. Gosto demais de pessoas, crianças gosto um tantinho mais, porque são mais simples e sinceras. Ainda não são tão amarguradas, a não ser por condições epigenéticas. Bem, então, cá estou falando e falando. Com quem? Falando com pessoas.  Gente que carrega dentro de si a criança que um dia foi.

É tempo de festejar. Outubro tem essa gostosura do dia das crianças. Tem gente que gosta de dar presentes, tem gente que se preocupa porque implica em gastar dinheiro novamente e presentear com aqueles presentes caros que o filho pede, afinal, é a única chance, talvez, de dizer que tem alguns direitos sobre a fortuna do pai.

Tem gente que acha que tem tudo e também uma criança dentro de si, além de mimar a criançada, mima a si mesmo. Isso eu admiro.

Gente feliz trabalha. Gente que trabalha feliz está em paz com seus pais.

Portanto, o êxito na vida é uma forma de demonstrarmos o quão felizes somos por aquilo que recebemos de nossos pais, o mais precioso: a vida. Tudo o mais podemos fazer.  Até mesmo cuidar de nossa criança interior: todo dia é oportunidade de dar-se aquilo que porventura faltou. E outubro é oportunidade também no calendário: salve dia 12, dia das crianças.

Que seja também da sua!

 

OLINDA GUEDES

Bacharel em Psicologia, Especialista em Análise Transacional, Florais de Bach, Renascimento, Programação Neurolinguística e Constelações Sistêmicas Familiares e Organizacionais. Educadora, terapeuta de vanguarda, palestrante.

Autora dos livros: “O que traz quem levamos para a escola?  Reflexões sobre a Pedagogia Sistêmica” (2012) e “Além do Aparente – um livro sobre Constelações Familiares” (2015). Olinda Guedes é a primeira autora brasileira nestes temas. Suas obras, inspiradas no pensamento sistêmico, contribuem para a educação, gestão, liderança e desenvolvimento humano.

Conduz, no Instituto Anauê-Teiño, a Escola de Saberes Úteis. Uma iniciativa cujo objetivo é trocar saberes das diversas ciências com o propósito de uma vida mais feliz, próspera e saudável.

https://www.facebook.com/olindaguedesfanpage/

https://www.youtube.com/c/OlindaGuedes

Instagram: olindaguedes

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
OLINDA GUEDES
OLINDA GUEDES Seguir

Oilá, gente linda! É uma boa história a minha vida... ainda temos muito a viver. A parte mais linda é ser "Mamain" das duas princesas Nina Maria, Camila Maria e dos cinco príncipes cavalheiros...

Ler conteúdo completo
Indicados para você