[ editar artigo]

Ditado sobre sentimentos

Ditado sobre sentimentos

Ditado:

Uma emoção é primária quando é exatamente a memória do sofrimento. Um dos sinais de que é um sofrimento primário é que todos nós sentimos a intensidade. Somos tocados e sentimos junto. 

Emoção secundária é um sentimento de sobrevivência. Uma emoção secundária tem função importante em nossa vida. Ela nos protege de tocar aquele sofrimento, é o que nós chamamos de mal menor. Antes eu ter mau humor do que me acabar de chorar pela morte da minha mãe. Um sentimento secundário tem sempre a intenção de nos proteger. Por vezes, ele surge primeiramente numa constelação e, a depender da empatia, do raport do constelador com o cliente, ele seguirá por meio desse aparente obstáculo e tocará exatamente o coração do cliente. Um sentimento secundário não é um obstáculo, é uma ponte. O constelador deve sempre ser o guardião da solução. Ele deve observar sempre o princípio do pertencimento, da compensação e da ordem, assegurando assim, que a boa solução chegue para o cliente. Quando há a inversão da ordem, o constelador precisa interferir orientando, indicando o lugar certo de cada um.

Estava muito claro ontem, que o filho, além de carregar a própria dor pela morte do irmão, estava também sobrecarregado com a dor da mãe pela perda do filho.

Quando, além de nossa própria dor, carregamos a dor do outro, isso nos limita, desmotiva, paralisa. Sobrecarga significa sempre inversão de ordem. Naquela constelação era visto e certo que, se a mãe entrasse, ela se debruçaria sobre o filho e assim o filho continuaria sobrecarregado. Ao pedir para que a mãe se sentasse e fosse acolhida pelas colegas, ela pôde ter o amparo que necessitava e o filho ficou livre para viver a própria dor, o que aconteceu minutos depois, quando aparentemente, a constelação já tinha se concluído. Portanto, um constelador, quanto mais sensorial estiver, quanto mais sistêmico estiver, mais ajudará o seu cliente. Particularmente, o único obstáculo que eu percebo  em se constelar temas cuja família está presente, é o entendimento do constelador, principalmente se ele não está reconciliado com seu sistema. O conflito de seu sistema pessoal surgirá no campo da família do seu cliente. Portanto, para ajudar, antes é necessário curar as próprias feridas. Para se tornar um constelador, antes do conhecimento é necessário curar-se. A própria cura de si determinará o avanço, a cura de seus clientes. Realmente  devemos deixar com cada um o seu próprio tema. Comentar sobre temas constelados, enfraquece os resultados porque, na maioria das vezes, a dinâmica sistêmica dos comentários é "finalmente eu vou poder mostrar a minha dor pra você". Comentários são o meio de transporte do nosso corpo de dor. Comentários são extremamente perigosos e reveladores da dor que há no coração. A dinâmica da curiosidade é a intromissão. Por vezes, depois de um tema, um colega é abordado com a pergunta: "eu fiquei curioso sobre o que aconteceu com a sua vó, sobre o porque você chorou". Curiosidade, nesse contexto, significa: "eu não respeito meus pais e irmãos." O curioso não sabe honrar. Por outro lado, é sempre importante que o cliente sinta-se livre para compreender totalmente o seu tema junto ao constelador. As perguntas de nossa mente são os sinais que nos conduzem à verdade. Quando encontramos as respostas além do aparente, nossa alma se aquieta. Muitas perguntas significa: "por favor, me veja" e a cada resposta a mensagem é "Sim! Você pertence". Por isso que todas as vezes que as perguntas chegam, devemos humildemente responder, mesmo que seja: "sobre isso eu não sei". Cada resposta, sincera e amorosa, significa: "você pertence" e "você merece amor". Quando alguém fala ou pergunta e é ignorado, a informação é: "você não merece", "eu não me importo contigo". Desenvolve-se uma dinâmica autista, cujo convite é "as suas feridas, cure você mesmo". Por isso eu sempre digo que a enfermagem é a medicina mais necessária, porque é o importar-se, é o cuidar. Abastece o amor de graça. Muitas vezes adoecemos como um movimento natural da nossa alma, para receber cuidado e proteção. Quanto mais o líder estiver reconciliado com seus pais, mais ele conseguirá ter uma liderança servidora. O líder servidor está conciliado com seus pais. Sua equipe adoecerá menos, porque naturalmente sentir-se-ão amados.

Num ambiente de trabalho, nós projetamos o ambiente da família; a relação com os nossos pais determina a forma que vamos lidar com os nossos líderes ou com os nossos liderados. Se nos sentimos amados pelos nossos pais, seremos colaborativos com os nossos líderes. Se nos sentimos reprimidos, diminuídos pelos nossos pais, ou agiremos movidos pelo medo, ou seremos rebeldes e presunçosos, porque a alma, o inconsciente, vê nos líderes uma oportunidade de nos tornarmos um tanto mais completos. O nosso sofrimento com os pais, com a família, passa pela escola e está no trabalho, na empresa. Toda a figura de liderança representa os pais, inclusive o professor. Quem honra os pais, respeita os professores. Quem está em paz com os irmãos é cooperativo, apoia os colegas de trabalho.

Hellinger disse certa vez "a pergunta que deveria definir uma contratação de líderes seria - como é o seu relacionamento com a sua mãe?", porque aquele que se relaciona bem com a sua mãe também está em paz com seu pai e por onde passar, levará a bênção do êxito. Tem pessoas que tem o dom da prosperidade, que tudo que toca vira ouro. São pessoas reconciliadas com a vida e estão diretamente conectadas com a fonte.

Olinda Guedes

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
OLINDA GUEDES
OLINDA GUEDES Seguir

Oilá, gente linda! É uma boa história a minha vida... ainda temos muito a viver. A parte mais linda é ser "Mamain" das duas princesas Nina Maria, Camila Maria e dos cinco príncipes cavalheiros...

Ler conteúdo completo
Indicados para você