[ editar artigo]

EU MULHER

EU MULHER

Ahhh como é bom dizer, escrever, gritar a palavra ..M U L H E R... ainda melhor soar e ressoar no meu corpo todo quando digo, admito, aceito, acolho e concordo que sim: EU SOU MULHER, eu me reconheço mulher, eu me sinto mulher, eu me olho no espelho e vejo uma mulher, eu agradeço a Deus e a Deusa por ter nascido mulher e se preciso nascer de novo solo pido que sea en cuerpo de mujer.

Nem sempre foi assim, na verdade eu sou uma mulher renascida... sim, tive o privilégio de nascer de novo nesta vida, no entanto, antes fui levada para o “fundo da terra e me mostraram os horrores da guerra, ali eu conheci o sofrimento, as dores e grandes tormentos... só que lá não morri pouco a pouco... consegui costurar as feridas e a minha força voltou novamente”...

É sobre o caminho que encontrei para costurar e continuar costurando as minhas feridas, porque o ciclo de vida- morte- vida não acaba jamais, que compartilho aqui.

Sim foi o meu estilo de vida e a forma deturpada de como eu enxergava o mundo e de como me sentia a mais vítima de todas as pessoas do universo que me levaram até o fundo da terra. E foi de novo, ele, o meu estilo de vida que me tirou de lá. Só que um novo estilo de vida, voltado para a solução, para a cura, para a melhora da minha qualidade de vida, e a esse novo jeito de viver eu incorporei duas coisas que para mim são fundamentais: o autoconhecimento e as terapias.

Eu já tive o privilégio de fazer alguns bons anos de Psicoterapia e mesmo depois de ter parado por um tempo as fichas continuam a cair. Com a psicoterapia aprendi a olhar para mim e só para mim, o velho e confortável costume de usar o outro como desculpa para minhas angústias não funcionava naquelas muitas e necessárias sessões.

Em Coaching já sou reincidente, com ele aprendi que para fazer coaching o ser humaninho coachee já deve estar funcionando bem em sociedade, como nas épocas que fiz coaching eu estava um tanto disfuncional, acabou que não colhi os frutos esperados. Mas tudo vale a pena e qualquer experiência de autoconhecimento é válida.

Nesse meio tempo conheci as Constelações Familiares e fiquei tão encantada com o que vi que na época vivia mais no espaço da querida consteladora do que na minha própria casa, buscando a cada constelação que eu participava um tantinho mais da minha cura. Com as constelações eu aprendi a honrar pai, mãe e toda a minha ancestralidade, aprendi que tudo o que eu nego e julgo neles, eu estou negando em mim, porque eu sou metade a minha mãe e todo o seu sistema familiar e a outra metade eu sou o meu pai e todo o seu sistema familiar. Me reconciliar de uma forma tão amorosa com toda a minha ascendência foi uma das coisas mais profundas e importantes da minha existência, nada pode ser maior do que a própria vida que a mim chegou através desses homens e mulheres que porque viveram o que viveram eu sua descendente estou aqui compartilhando a minha história.

Fiz um longo e intenso treinamento de practitioner em programação neurolinguística para desenvolver a delicada arte da comunicação interna e externa. Com ela aprendi que gestos, tom de voz, e tudo o que não é dito com as palavras tem muito mais valor do que as palavras em si.

Fiz também, e faço sempre que acho que devo, ciclos de 21 dias: para cura da criança interior, para a cura da relação com o pai, com a mãe com o ex-companheiro. Com esses ciclos eu aprendi que a repetição é necessária para ensinar ao cérebro que tudo bem mudar os pensamentos em relação a qualquer coisa e pessoa.

Fiz também a terapia do Renascimento que são sessões de 1h mais ou menos de respiração, é bem trabalhoso manter o ritmo das respirações que são feitas pela boca, o corpo quer desistir e as vezes desiste, paramos de respirar e o trabalho do facilitador é nos manter acordados e trabalhando, é uma daquelas terapias, profundas, difíceis de explicar. Eu aprendi com o renascimento a priorizar melhor as minhas necessidades, a não se auto sabotar tanto e o tempo todo.

Tive também algumas boas experiências com as gotinhas mágicas dos Florais de Bach, florais quânticos, da lua. O efeito positivo que essas gotinhas exercem sobre as minhas emoções são incríveis, já senti um estado de verdadeira alegria e motivação sob os efeitos dos florais. Com eles eu aprendi que o remédio não precisa ser caro para ser bom.

Recentemente fiz uma formação em Gineterapia, que são 13 seminários com temas e vivências práticas inerentes ao universo feminino. Com a gine eu aprendi a ser mulher inteira, me reconheci cíclica e hoje já não tenho medo de não caber nas caixinhas e arapucas armadas pelo status quo, para que a mulher fique cada vez mais longe de quem ela é e dos seus ciclos para que fique cada vez mais alienada em busca de padrões inatingíveis.

E para celebrar a mulher selvagem que habita em mim, acabei de passar por um atendimento terapêutico na natureza, com banho de cachoeira, de sol e de rosas.

E continua... continua porque eu me sinto melhor desde que comecei... e voltar a ser quem eu era antes de toda essa busca começar eu escolho não mais.

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Lis Reis
Lis Reis Seguir

Sou ativista da saúde plena, aquela que contempla corpo, mente e alma. Entusiasta e disseminadora das terapias integrativas e complementares. Pnlista, Gineterapeuta e Mulher Selvagem!

Ler conteúdo completo
Indicados para você