[ editar artigo]

"Exercícios para amar" ou "Aprendendo a adotar"!

Pensava eu hoje sobre o como poderíamos aprender a amar por amar, sem exigências, sem expectativas, simplesmente amar como desejaríamos ser amados...

Com minha formação na área da educação, não pude deixar de pensar qual seria o treinamento, o que fizeram as pessoas que já amam desta forma, que tipo de exercício, ação, atividade ou formula elas usaram para adquirir este comportamento??

Lembrei então que são poucas pessoas que conheço que tem esta capacidade nata, que nascem assim, não precisaram aprender.... Madre Tereza de Calcutá, Chico Xavier, Gandhi e outras anônimas que são voluntários em todas as frentes onde existem necessitados de fraternidade. 

Mas nós, a grande maioria de nós, não nascemos com este amor...

Qual seria então o modo de desenvolver este “dom”?? Como podemos treinar nossa capacidade de amar ao outro??

Quando trabalhava na escola de Ensino Fundamental, apliquei algumas vezes uma atividade que consistia em ensinar as crianças a plantar 3 grãos de feijão em um copo ou latinha vazia , que era forrado com algodão e teria que ser molhado com conta gotas todos os dias, para que pudesse germinar. Muitas crianças deixavam seus feijões morrerem secos, outras afogavam os mesmos, algumas olhavam e cuidaram tanto que na hora de colher as vagens e dispensar os galhos, ficavam tristes. O amor começava a brotar.

Outra atividade que era dada ao alunos  de 12 a 14 anos era de presenteá-los com um “pintinho” vivo (ao que os pais sempre reclamaram muito kkkk), dando a incumbência de cuidar por um mês e depois devolver vivo para a escola e falar sobre a experiência na Feira de Ciências... Deviam alimentar no horário dado no cronograma, limpar a caixa de sapato que cada um recebera, levar tomar sol e ciscar na terra por duas horas no dia e trocar a água sempre que estivesse suja. Tínhamos variados resultados interessantes, tristes, fatais, e cômicos no final do experimento... todos compartilhados e analisados com amorosidade e atenção...

Relembrando isso tudo, penso que talvez devêssemos ensinar nossos filhos e a nós mesmos a adotar plantas, cuidar do jardim, aprender a amar uma flor que nasce em um cacto, plantar alface para nos alimentarmos, cuidar de um pequeno vaso de tempero na janela da cozinha. E quem sabe aprendendo a cuidar de uma planta, possamos passar a responsabilidade de amar um pequeno “filhote”, um gatinho ou um cãozinho abandonado... e se a capacidade de amar já for mais desenvolvida, podemos partir para adotar um animal adulto nos abrigos. Sabiam que existem cavalos e burros em abrigos em algumas cidades para adoção??

Mas se nosso amor já está maduro para amar para sempre, podemos pensar em adoção de filhos, filhos do coração...  

Hoje 25 de maio é o dia da Adoção, existem muitos bebês, crianças e jovens no Brasil, esperando um lar para serem acolhidos. Existem muitas pessoas querendo tornarem-se pais. Os filhos que esperam pais, só querem amor e aceitação; muitos pais e mães que querem filhos ainda estão perdidos em exigências...

Precisamos aprender a amar por amar...

Ouvi outro dia uma verdade, e devemos estar preparados:
- Filho é bom, mas dura muito...


“É preciso amar, como se não houvesse amanhã...” disse o poeta... ( Legião Urbana)

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Tânia Andrade
Tânia Andrade Seguir

Psicopedagoga Terapeuta de Constelação Sistêmica Familiar. Atendimento individual e Online

Ler conteúdo completo
Indicados para você