[ editar artigo]

O amor dos pais e dos filhos

O amor dos pais e dos filhos

Fechamento do módulo 2.

As leis do amor.
Ao terminar esse módulo percebo o quanto somos leais aos nossos antepassados, nos emaranhando em situações deles na ânsia de pertencer.

Excluídos a felicidade para pertencemos ao sistema familiar.

Falamos inconsciente primeiro meus pais depois a felicidade. Buscando a realização dos pais a nossa.

Entendendo emaranhamento toda desordem que não condiz com a felicidade  toda situação de perdas,  pobreza, infelicidades,tristezas, todas as situações que não condizem com o contexto. 

Para sermos felizes e ajudar pessoas a serem felizes devemos buscar a cura desses emaranhamentos identificando onde o amor foi interrompido. E dando ressignificação a vida a partir do ponto da ruptura.

Ao nos colocarmos no lugar de filhos perante nossos pais, deixando eles serem pais sem julgar suas atitudes e olhando os como país em sua essência  e percebendo o amor que flui deles o qual foi motivo de nossas vidas.

Ao nos colocarmos no lugar certo de filhos, irmãos, netos  sentiremos uma leveza e aceitarmos que as coisas aconteceram como tinham que ser mas que eu não preciso levar adiante as memórias de dor, sofrimento,  de pobreza, que podemos honra -los de forma diferente do que eles fizeram encerrando em nós os ciclos de desordem contextual. 

Percebe se também com o estudo que o sistema não aceita exclusões por isso  em alguns casos os descendentes reproduzem comportamentos dos que foram excluídos ou rejeitados. Não somos obrigados a conviver com quem nos faz mal, mas sim aceitar que tudo acontece como tem que ser e cada um segue seu rumo frente a vida.

Como filhos precisamos pertencer aos nossos pais , e para isso é preciso que nossos pais nos olhem e nós aceitem como filhos. 

Quando há lealdade invisíveis no sistema certamente houve um amor interrompido , nossa memória transgeracional traz os medos da perda,  do abandono, da falta,  da pobreza entre outras. Choramos as lágrimas de nossos ancestrais pois muitos como no meu clã não puderam chorar as mortes prematuras, crianças que tiveram seus pais mortos e entregues a outros para criarem,  aí nascendo a crença que quem ama abandona, e só relações abusivas são saudáveis.

O aceitar migalhas para criança órfã passa aos seus descendentes que o amor e migalha.  

Então como Bert Hellinger refere no livro O Amor do Espírito, pág. 84 que no emaranhamento o indivíduo está a serviço da família,  na busca da solução de antigos conflitos do respectivo grupo familiar. 

No livro O êxito da vida, êxito na profissão (2011, p. 08),” relata que percebe sentimento de  um amor interrompido olhando um indivíduo que se retrai a ir ao encontro ser um parceiro. “ dessa forma dando a entender que memórias de rejeição podem está sendo ativadas.

Bert também refere pais que sentem dificuldade de manter a proximidade com os filhos. Faço uma leitura que os mesmos nesse momento ativam em si pais tóxicos que abandonam então não me permito a amar meus filhos pois poderei abandoná-los ou eles irão abandonar me a qualquer momento. Assim percebo que o medo de amar esta vinculado à um movimento de amor interrompido 

Como uma futura constelador a nesse momento sinto a necessidade de conciliar me com meus ancestrais pedindo a eles que me amém como sou mas que sigo minha vida de forma singular honrando os fazendo diferente deles mas com muito amor e carinho a cada dor e lágrima não caída.

GRATIDÃO.

Nesse momento que encerro esse módulo pude perceber oque tu querida Olinda diz de que constelamos a todo momento, pois minha alma movimentou se em amor à todos meus ancestrais e sinto uma leveza em meu peito...

GRATIDÃO. 
 

Leitora.

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Ler conteúdo completo
Indicados para você