[ editar artigo]

Imensa gratidão

Imensa gratidão

Venho hoje mais uma vez neste espaço para agradecer meus antepassados, quanto temos descoberto a respeito deles, agora os vejo e com grande gratidão os reverencio. Quanto mais agradeço, mais sinto a necessidade de agradecê-los, pela manhã estou tendo uma dinâmica de colocá-los em um círculo os que conheci e os que não conheci, coloco representantes e simplesmente converso, falo que os reconheço que sei de poucas coisas sobre suas vidas, sei  que o sofrimento foi grande e por meio de tudo que passaram, estamos hoje aqui tendo esta grande oportunidade de nos observar e buscar progredir. Minha mãe que hoje sofre de alzheimer, estamos buscando tratamentos alternativos para uma melhora na qualidade de vida dela, e já estamos tendo bom retorno, é o que de mais precioso podemos fazer por ela nesse momento, agradeço pela oportunidade da vida e peço perdão pela incompreensão, agora vejo suas angústias.

Penso como seria bom se a humanidade partilhasse dos princípios sistêmicos: do reconhecimento, da compensação e da ordem, o mundo seria outro, as nações não lutariam, nossos dirigentes não assumiriam guerras, pois somos partes deste todo regido por leis do reconhecimento do outro, o dar e receber e da ordem, respeitando a hierarquia.

Hoje sei meu lugar de sexta filha no meu sistema, agradecendo e respeitando a hierarquia, o que antes não sabia fazer, entender, e em consequência disso, não tinha boa relação com meus chefes.

Confesso que ingressei no curso com intuito de curar males do corpo, mas agora vejo o ego estampado nesse sentimento, depois das aulas, leituras, pesquisas, quero curar meu sistema, curando meu sistema vamos curando o mundo, com mensagens de harmonia e bem estar a todos.

Gratidão a Bert Hellinger que nos trouxe essa maravilha de cura da alma, e das almas, sem palavras para exprimir e à nossa mestra Olinda Guedes que com tanta sabedoria nos conduz nesse que penso ser um ensinamento.

Algumas constelações reverberam muito em mim, como quando falam dos africanos e seus sofrimentos, choro muito, fico mal alguns dias, mas é como a limpeza que jogamos água para sair o que é impróprio, mas depois vem a sensação de leveza. 

A música utilizada nas constelações: Verde vinho, é como um bálsamo para meu interior, e fica muito linda na voz do Jair, a coloco nos momentos de oração aos meus antepassados e estou pesquisando músicas africanas e indígenas para presenteá-los com essa homenagem.

Hoje quero deixar essa música: Aquarela brasileira de Martinho da Vila, que retrata as maravilhas do nosso  BRASIL, que tanto amo e tantas oportunidades me oferece, por minha vida e dos meus amados antepassados.

Vejam essa maravilha de cenário
É um episódio relicario
Que o artista, num sonho genial
Escolheu para este carnaval
E o asfalto como passarela
Será a tela
Do Brasil em forma de aquarela

Passeando pelas cercanias do Amazonas
Conheci vastos seringais
No Pará, a ilha de Marajó
E a velha cabana do Timbó
Caminhando ainda um pouco mais
Deparei com lindos coqueirais
Estava no Ceará, terra de Irapuã
De Iracema e Tupã

Fiquei radiante de alegria
Quando cheguei na Bahia
Bahia de Castro Alves, do acarajé
Das noites de magia, do Candomblé
Depois de atravessar as matas do Ipu
Assisti em Pernambuco
A festa do frevo e do maracatu

Brasília tem o seu destaque
Na arte, na beleza, arquitetura
Feitiço de garoa pela serra
São Paulo engrandece a nossa terra
Do leste, por todo o Centro-Oeste
Tudo é belo e tem lindo matiz
E o Rio dos sambas e batucadas
Dos malandros e mulatas
De requebros febris

Brasil, estas nossas verdes matas
Cachoeiras e cascatas de colorido sutil
E este lindo céu azul de anil
Emolduram, aquarelam meu Brasil

Lá, lararará
Lá, lararará
'Simbora
Lá, lararará
Lá, lararará

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Ler conteúdo completo
Indicados para você