[ editar artigo]

Juntando as pedras no meio do caminho

Juntando as pedras no meio do caminho

Uma vez ouvi uma história de que havia uma caravana de viajantes, que iria atravessar o deserto, em busca de um Oásis com mananciais repletos de águas puras e cristalinas.

Eles subiram em seus camelos e começaram sua jornada.

Durante a jornada, a luz do Sol que já estava escaldante, de repente ficou ainda mais forte, e deixou a todos com a visão embaçada. No meio daquela luz, uma voz disse:

"- Desçam e juntem as pedras que estão no chão!"

Temerosos do que aquilo podia ser, alguns permaneceram trêmulos em seus camelos e não desceram. Enquanto isso, outros desceram, mesmo sem enxergar direito e, abrindo suas sacolas, juntaram o máximo de pedras que puderam... Outros, mesmo com medo, desceram de seus camelos, juntaram algumas pedras, mas não muitas... E enquanto a luz diminuía, a voz falou novamente:

"- Quando vocês chegarem no destino, todos vocês irão ficar felizes e tristes ao mesmo tempo!"

Impressionados com aquela experiência surreal, os viajantes caminhavam e proseavam sobre tudo o que haviam visto e ouvido... E estavam felizes, porque sabiam que já haviam percorrido mais da metade do caminho.

Enfim, o tão sonhado momento chega: eles observam, de longe o manancial, ainda percorrendo o deserto, e então alguns se entregam, deitando-se em seus camelos, enquanto outros se apressam e até vão correndo em direção ao Oásis, que de fato existia.

Enquanto alguns ainda chegavam, usando suas últimas forças, outros já se deliciavam com as águas daqueles mananciais maravilhosos. Enquanto um saciava sua sede, o outro mergulhava de cabeça...

De repente, ouve-se aquela voz do deserto novamente:

"- Abram seus sacos, tirem suas pedras e lave-as com as águas destes mananciais!"

Mais do que depressa alguns abriram suas sacolas, enquanto outros foram dormir e descansar da árdua jornada pelo o deserto.

Agora faça uma pausa aqui: com quem você se identifica nessa história? Você é a pessoa que não quis pegar as pedras no meio do caminho, questionando pra quê? Ou você é a pessoa que desceu do camelo, mesmo com medo, e pegou um ou outra pedrinha? Ou ainda: você é como a pessoa que desceu e juntou o máximo de pedras que pôde?

Pois então...

Ao pegar um pedra de uma das sacolas, um dos viajantes foi até um manancial e lavou-a. Quando de repente, notou que aquela pedra tinha um brilho diferente... e constatou: é um diamante!

Enquanto ele constatara, com alegria aquele momento, indagou e disse:

"- Por que eu não peguei mais pedras no meio da minha jornada? Eu poderia ter pego mais pedras..."

E a tristeza tomou seu sentimento, ao mesmo tempo que ele estava feliz, exatamente como a voz no deserto falara.

Com isso, querido leitor, quero te fazer algumas perguntas para reflexão:

Você compreende que a Escola Real de Olinda Guedes lhe convida a participar de uma Jornada de cura, para você obter uma vida mais feliz, próspera e saudável?

Você compreende que cada tarefa sistêmica, cada bibliografia sugerida para leitura, cada frase curativa e que cada métrica oferecida à você são as pedras que compõe a nossa jornada de estudos (conhecimentos e curas) com Olinda Guedes?

Mesmo com a visão ainda embaçada por causa da luz forte do conhecimento, você têm descido do camelo, aberto suas sacolas e está juntando as pedras que estão no meio do deserto dessa jornada de estudos?

Se sua resposta é sim, quantas pedras você já juntou em sua sacola ou sacolas?

Se você já chegou no seu destino e encontrou um Manancial, já pensou em retornar ao deserto só para juntar mais pedras?

Você reparou que neste Oásis há vários mananciais? Quais mananciais você já encontrou ou conquistou depois que chegou no seu destino?

Compartilhe comigo a sua experiência de caminhada na jornada de estudos e curas com Olinda Guedes e Escola Real.

Em breve, quero marcar um encontro AO VIVO com cada um (a) de vocês que comentarem aqui, para falarmos mais sobre como o saber sistêmico mudou a sua vida e sobre sua jornada de cura depois de juntar-se à nós, nessa Caravana do Amor.

Gratidão por estarmos juntos nesta jornada de milagres!
Mari Amatti

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Marinez da Silva Amatti Grochewski
Marinez da Silva Amatti Grochewski Seguir

Me chamo Marinez, sou filha da Adel e do Tião. Sou cantora, violonista, compositora, casada e mãe. Tenho formação em Constelação Familiar e PNL, pelo Instituto Anauê-Teiño. Espero compartilhar com vocês várias das minhas reflexões e experiências!

Ler conteúdo completo
Indicados para você