[ editar artigo]

Módulos Avançados de Constelações de Destino- ditado

Módulos Avançados de Constelações  de Destino- ditado

Indico à vocês caros alunos que estudem através dos seguintes livros: O QUE VOCÊ DIZ DEPOIS DE DIZER OLÁ – Eric Berne e OS JOGOS DA VIDA – Eric Berne.

Estudem, não com a cabeça mas com o coração.

Não estamos nessa vida para provar nada para ninguém. A gente veio no sentido de evoluir, saborear e se lapidar.

A medida que voltamos para casa vamos recuperando a fé, a alegria e a serenidade.

Existe um grande milagre e ficamos em paz. Saber que cumprimos nossos compromissos. Temos fome de auto- realização.

Somos todos humanos e iguais, isso tira essa presunção de que temos que correr atrás das coisas, que provar.

Vamos realizar grandes coisas, talvez não vá para o Guines, talvez não teremos um prêmio Nobel, mas fizemos o bem, algo significativo.

Quando nos despedimos saímos mais felizes.

Eu já sou e por isso que sou já basta.

Não podemos conceber a vida como resultado com ignorância. Se nos desligamos do conhecimento fica difícil. O instinto não basta, precisamos ir além, temos um cérebro mais elaborado e desenvolvido.

Buscar o conhecimento para usarmos de maneira adequada a nossa potencialização.

Quanto mais a gente acessa ao conhecimento como fonte de transformação na sua vida.

“Se você acha que você pode ser uma pessoa melhor. Não deixe para amanhã”. Anthony Robbins

Bons pais se arrependem todo dia.

Todos os dias fazer uma pequena meditação e fazer melhor, isso se chama conversão, humildade e voltar para casa.

Pessoas que conhecem muito e tomam conhecimento como forma de saber. Precisamos viver dispersos. A medida que temos essa disposição do coração, nada mais aprisiona a gente.

Ajudar o cliente a perceber que a história dele pertence a ele e ele tem uma chave também.

“O terceiro milênio ou será de amor ou não será?”. Ainsten

A nossa natureza é de estarmos juntos de nos ampararmos.

Quando estudamos sobre o destino necessitamos olhar antes de tudo para a infância de nossos avós.

Quando observamos a nossa própria infância nos sentimos inúmeras vezes apenas identificados com sentimentos repetidos das gerações anteriores.

Quando olhamos a infância de nossos avós, torna-se claro e absolutamente compreensível o por que nossa infância foi como foi.

A infância de nossos avós mostra absolutamente a fragilidade de seus pais. A fome, o medo, a incerteza, a infância de nossos avós mostra onde o amor parou.

Quando observamos a infância de nossos avós, nós deduzimos como era a vida dos pais dele, o que passava naquela época e o que se passou no corpo deles.

A epigenética já comprovou que um sofrimento, um trauma, ele ressoa quatro gerações pelo menos.

Nós poderíamos dizer que o destino é tudo aquilo que não compreendemos, que é inexplicável, que por vezes parece mágico, mas na maioria das vezes parece uma prisão, uma maldição, uma energia que não vemos, não com resultados fotografáveis concretos.

Então a pessoa diz, eu faço tudo certo, dou o meu melhor e sou e sou sempre o primeiro a ser desligado.

Ou a pessoa diz: sempre trato bem, respeito e quando menos percebo, sou vítima de relacionamentos abusivos e se luto muito fico sempre sem nada.

Outras vezes a pessoa diz faço tudo corretamente e consigo pequenos sucessos quando chega na hora “h”tudo desaba é inexplicável.

Tudo o que é inexplicável negativo é a parte do destino que chamamos de lealdade de emaranhamentos.

Eric Berne, autor da análise transacional, era um homem muito estudioso, judeu mas vivia numa época onde ainda era bastante proibido falar sobre energias.

Fazia pouco tempo que quem falasse nisso ia a fogueira, mas mesmo assim ele foi bastante irreverente e ele brincava com alunos e clientes, ele era um médico, ele vinha da academia e a palavra na boca de um cientista ficava divertida.

Qual é a bruxaria que você está carregando? Qual é a maldição que você está carregando e para quem você está carregando.

Uma cliente sofria de dores pelo corpo, então Eric perguntava: Qual das mulheres da sua família se tivesse essa raiva que você tem, teria resolvido algumas coisas.

Se minha avó dissesse tido a raiva que eu tenho o meu avô teria levantado a mão para ela uma vez só. Ela estava carregando uma maldição por meio daquele sofrimento ela dizia ao sistema.

Nós só somos vítimas, enquanto decidimos. Ela estava dizendo por meio daquelas dores todos somos poderosos.

Contudo aquela avó e aquele avô já tinham falecido e ela sempre dizia não é possível ser feliz num relacionamento e antes mesmo que qualquer cônjuge, dissemos à ela não, ela já havia se despedido.

Querida vovó eu faço por você.

Isto é comum a bruxaria, numa maldição porque nem a vovó e nem o vovô não tem mais corpo físico pessoal, entretanto essa energia fica sem corpo o seu dono e alguém assume essa tarefa cujo protagonista não existe mais.

É como um fantasma a maioria de nós 98% estamos presos dentro destes scripts dentro destes destinos.

Fazendo coisas, tendo uma vida que muitas vezes ninguém entende.

São personagens fantasmas dentro dos nossos scripts dentro destes destinos.

Fazendo coisas, tudo na vida que muitas vezes ninguém entende.

São personagens fantasmas dentro dos nossos scripts. Existe portanto, diante do destino algo que dissipa toda a magia, toda a bruxaria que é tornar-se consciente, que é perceber isto agora eu vejo, agora eu sei.

Sei quando sou eu quando sou eu estou totalmente em paz e agora eu sei que quando são essas memórias eu me sinto apenas em sintonia com o meu sistema.

Eu me sinto apenas cumprindo algo e com a consciência leve, todos nós já conhecemos histórias que quando o indivíduo experiência um fracasso, fica pobre, doente ou infeliz, quando perde tudo ele respira aliviado.

É como se algo dissesse finalmente eu sou igual, temos a mesma assinatura.

Enquanto não conseguimos pertencer por meio da alegria, vamos pertencer por meio do amor que adoece.

Quando nos perguntam, porque isso acontece comigo, nós encontramos a resposta olhando imediatamente para a infância de nossos avós.

Exercício prático a ser feito completando a frase abaixo:

Algo difícil que acontece comigo é... (SINTOMA/SOFRIMENTO) e então quando olho para a infância de meus avós vejo... (PALAVRAS PROFERIDAS OU AÇÕES FEITAS POR ELES).

Tarefa da Terapia: Pinte uma tela com todos esses elementos e diga: Agora eu vejo, esse sofrimento se transforma em talento, em ofício e profissão, desatando os laços do destino, o amor traz de volta por meio do servir o amor volta a fluir.

Queridos antepassados agora só teremos um lar e terá em cada uma dessas paredes os seus sobrenomes e cada um que for surgindo ele vai ganhando um espaço na nossa parede.

A alegria no coração de vocês, abençoa o meu coração.

O AMOR SEMPRE TRAZ DE VOLTA.

O AMOR NUNCA ESQUECE.

Ataques de vírus são muitas memórias de orfandade e muitos irmãos ignorados.

Muitas vezes o que salva um órfão são seus irmãos.

No Malawi num campo de refugiados existem centenas de crianças, cujos pais foram mortos e que são cuidadas pelos seus irmãos.

Na China as crianças são privadas dos seus irmãos. Em tempo recorde do Brasil uma mulher negra cientista descobre os códigos para curar o vírus.

A África é considerada o berço da humanidade.

Tudo está neste grande AGORA, como é maravilhoso viver assim. Estamos todos aqui contemplando e admirando esse grande agora.

O amor sempre encontra uma forma de desatar os nós do destino.

O amor sempre encontra uma forma de transformar nós em laços.

Adotar apenas com similaridade da família biológica. A resposta e o que completa está um ponto ainda mais do que é 0-8 define o script de vida.

O amor é o grande milagre e pertencimento é a maior fome.

Você não importa injunção naquilo que ele não vê, mas toda sociedade age daquele  modo.

O pertencimento é o princípio da paz.

A análise transacional é uma teoria da personalidade, um jeito de compreender e também um conjunto de intervenções desenvolvida por Eric Berne um judeu nascido Canadense e naturalizado Americano.

Ele estudou medicina e ele era encantado com a vida e as pessoas e o jeito delas viverem, estudos da psicanálise e com um grande gênio que ele era ele percebia muitos pontos que a psicanálise poderia melhorar um deles era a interação entre terapeuta e o cliente.

O resultado é constituído por profissionais e clientes, ele começou a sugerir essas mudanças para os ciclos de psicanálise que não aceitam a ideia, nem essa e nem outra.

Eric Berne sendo fiel às suas percepções, ele anota tudo e começa a ensinar para outros terapeutas.

Uma das mudanças que Eric Berne fez foi sobre poder os negócios nos consultórios eram iguais e o cliente sempre escolhe aonde ele queria sentar.

Nos estudos e nos encontros de grupo gostava que sentassem no chão e em círculo e dizia que ficamos tão seguros e mais colaborativos.

Eric Berne chamava de cliente porque realmente o é e não um paciente, porque esse tipo de medicina precisa que aquele que recebe a terapia esteja engajada e consciente que as mudanças dependem dele.

O terapeuta mostra o caminho e as percepções e então o cliente muda a sua vida.

Ao chamar de paciente é um certo jogo de poder, que tira o protagonismo, o poder.

Eric Berne gostaria muito de dar tarefas que ajudasse o cliente a curar-se, ele dizia que terapia era um grande processo educativo que ele o terapeuta deve contar ao cliente como a mente funciona e como as pessoas estruturam seus relacionamentos e reescrevem suas decisões e usar de uma maneira funcional os seus recursos internos.

Ele viveu até os 60 anos cumprindo o seu próprio script, um dos seus pais viveu até os 60 também e ele viveu o movimento de eu sigo você.

Diante do roteiro que escolhemos existem apenas dois movimentos: espelhamento e lealdade.

Espelhamento é fazer igual as figuras parentais da nossa infância fizeram. Eu vivi o tanto que você vive. Alguém também pode decidir o seu roteiro por um movimento que ele chamou de complem.

Ex.: Alguém que é filho único, tem muitos filhos. Alguém que foi órfão viver mais de 100 anos.

Alguém que teve os país muito pobres ou alguém que tudo o que toca vira ouro.

Eric Berne ensinou tudo isso e ele fez grandes teorias, práticas e terapeutas, um deles é Cloude Steinder, fez também um casal de terapeutas Mary e Bob Golding também uma outra aluna sua chamada Kack Schiff, esta terapeuta desenvolveu o método seguindo as orientações de Eric Berne de cura de esquizofrenia.

Portanto o conceito fundamental da analise transacional fala sobre relacionamento e mostra como as pessoas se relacionam, as formas patológicas e saudáveis e funcionais.

Mostra um conceito de jeitos de ser, estados de ego, partes internas da personalidade e um outro conceito básico de estado dos egos e de postura existencial.

Eric Berne ensinou que de 0-8 uma pessoa estrutura sua vida e suas decisões sobre a vida.

Decisões sobre saúde, felicidade, relacionamentos. A partir daquilo que  nós percebemos de nossos país, dos avós e dos profissionais das figuras parentais importantes da nossa infância.

Então uma criança observa que seus pais conversam muito e falam bastante so quando alguém fica doente ou quando estão sem dinheiro.

Se for por espelhamento ele vai decidir frequentemente ter uma doença para poder se sentir vivo.

Se for para complementação ela nunca vai ficar doente e poderá estruturar o seu diálogo de dois modos:

- ou não precisa dialogar

- ou vai arrumar alguém doente para cuidar.

A escolha profissional pode e é na maioria das vezes, uma escolha de script (roteiro) de vida. E na infância também observamos como a família reage ao sucesso.

Sucesso é natural ou os ricos não entrarão no reino dos céus.

Ai você pode de graça ter coisas incríveis na vida ou você só vai conseguir prosperar se ralar muito.

Então a criança escuta algumas histórias, o pai sempre diz o meu pai tinha tanto, mas ele começou a ajudar seus irmãos e ficou sem nada.

Então essa criança poderá internamente decidir não ajudar ninguém, nem que todos fiquem pobres, mas agora ninguém passa a perna em nós.

Chamava isso de injunções, as famílias até falam para as crianças como agir e a eles contam uma história que é outra mensagem.

As histórias vão direto para o inconsciente como comandos do que deveria ter sido feito.

A complem significa: “agora nós podemos” e o espelhamento significa: “você é um de nós” “eu não te excluo”. Eu fico pobre, triste ou doente igual são movimentos profundos do espírito.

Eric Berne dizia que muitos pais carregam memórias de sofrimento tão intensas e antigas que ou não contam histórias dos antepassados ou as histórias são muito normais.

Mas esses pais então eles contam histórias de contos de fadas ou mitos ou de super heróis, essas histórias onde não se conta histórias da família, ela mostra segredos e memórias distantes desse sistema.

Por ora nós sabemos que as injunções são formas subliminares de comunicação.

Os pais dizem: Feliz dia das crianças e provém casa e moradia, isto é uma comum positiva do estado de ego adulto, porque o adulto pensa com lógica e faz o que é necessário contudo o filho está triste e aborrecido, não quer estudar, dormir e ao fazer uma terapia sistêmica o especialista observa que os pais parecem cansados com aparência descuidada.

Então o terapeuta diz: nós procuramos sempre observar os contextos quando tem um sintoma vou lhes perguntar: Normalmente como é o seu cuidado? Quantas vezes por semana seu filho lhe vê bem humorado e contente? Quantas vezes por mês vocês saem para fazer uma refeição juntos?

Então vocês já podem imaginar a resposta porque essa criação vê os pais sobre sacrifício e estão dizendo aos filhos de maneira subliminar: você é a razão do meu sacrifício.

As palavras informam mas as atitudes determinam e a alma da criança fica confusa.

Se eu sou a razão da sua vida, um bom filho, porque você tem esse rosto cansado e descuidado.

Esta atitude é uma atitude do estado de ego, pai quando não alegra a si mesmo e entendeu como um roteiro que ser pai é um sacrifício.

Eric Berne dizia que sem terapia a gente só oferece o que e como a gente recebeu.

Um pai que se alcooliza ou se droga está passando uma mensagem profissional tóxica para os seus filhos, está dizendo para os filhos: “eu sou órfão como você”, eu não tenho pai nem para mim, mas Eric Berne diz que se até os 8 anos nós definimos nossos roteiros, depois dos 18 nós podemos reescrever, decidir novamente agora por meio do conhecimento, por meio da verdade e da terapia.

Entretanto Eric Berne também dizia que isto só é possível se nós nos sentirmos minimamente seguros.

Que nós seremos amados mesmo assim.

Que todas as vezes que vamos curar algo em nós, precisamos observar onde o amor fica ameaçado e é preciso negociar internamente.

Ele dizia por exemplo que quando existe uma injunção existem memórias de abandono e exclusão.

Eric Berne dizia que o maior sofrimento das pessoas nunca era o fracasso que o que levava as pessoas para a terapia era a dor de ser bem sucedido, como se fosse a culpa de viver melhor e nós sabemos disso quando ele trás o conceito de lealdades.

Pessoa com anorexia pode estar seguindo a mãe que vomitou até o 9º mês.

São registro epigenéticos que criam reações disfuncionais e desproporcionais no organismo.

Por último um conceito da análise transacional é a teoria de carícias que pena pela estrutura de tempo.

Eric Berne dizia, que todos nós precisamos nos sentir vivos e só vamos se alguém olhar para nós.

Ele trouxe o conceito de carícias positivas e negativas e então ele dizia que claro que preferia um abraço, mas entre ficar no isolamento e ganhar uma porretada, é melhor uma porretada.

Não existe tortura pior que a solitária, do que não ser visto.

Eric Berne sempre pergunta aos seus clientes: Quem no seu sistema fica bem, quando você está mal?

E quando você está mal assim, qual culpa você se livra? E ele ia fundo, se você não tivesse esse fracasso, essa doença, essa infelicidade, o que você perderia?

Eric Berne dizia que antes do sucesso, os pais.

Exercício prático:

Quando eu.... (SINTOMAS) os meus pais se sentem... (por ex. redimidos/compreendidos e ficam maiores que eu ou eu os honro como meus pais).

Você não precisa passar fome igual a nós.

Quem carrega memória de orfandade tem insônia.

Homem tem que estar na guerra, na batalha como nossos antepassados.

Quem está sempre procurando o pai está sempre trabalhando.

“Quem trabalha demais não tem tempo de ganhar dinheiro.” Domênico de Massi

Quando você tem um problema, a hora que você toma o tempo e você encontra a mãe e a energia criativa flui por conta do feminino.

A prosperidade chega por meio da energia criativa.

Quem prospera é porque encontrou o pai.

Alianças não podem ser confundidas com algemas. Quando as pessoas se tornam perpetradoras elas criam as memórias de origem das epidemias que significa temos que honrar a morte, os bons prantearão e os maus se renderão. Aqueles que carregam a memória são a população de risco.

E finalmente concluindo, quem perdoa é Deus! Entre humanos se repara os danos.

A mãe é âncora primária, por meio dela os filhos filtram o mundo

Quanto mais amor nós danos, menos dependência nós criamos.

 

Piraquara PR, 12 e 13 de março de 2020

Época de coronavírus.

 

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Iraci Aparecida Franceschini
Iraci Aparecida Franceschini Seguir

Sou Partner da SBC Sociedade Brasileira de Coaching e Master coach, fundadora do Instituto D´ORO Treinamento e Desenvolvimento Ltda, apaixonada por contribuir com o desenvolvimento humano de pessoas, times e empresas utilizando soluções on-line .

Ler conteúdo completo
Indicados para você