[ editar artigo]

Mulheres, comida & Deus

Mulheres, comida & Deus

Texto inspirado no livro Mulheres, comida &Deus. 

Mulheres, Comida e Deus | Amazon.com.br

O que será que você busca quando se alimenta? 

Convido a olhar para o que tem em seu prato para além da comida, esse também é um convite de Geneen Roth, que vai te seduzir pelas páginas encantadoras cheias de reflexões e poesias, desvelando a relação da comida com o nosso mundo emocional. 

Esse livro é para todas as pessoas que tem uma relação louca com a comida e tem coragem para encarar esse mergulho rumo a libertação. 

Será que você já se deparou com a busca de soluções mágicas para resolver algum problema?

Essa busca é algo que está impregnado atualmente em nossa cultura, fruto do imediatismo, vivemos querendo anestesiar as emoções e sentimentos, assim não gostamos de nos deparar com nossas dificuldades cotidianas e nossas dores internas, consome-se a vida como se fosse um romance ou melhor como se fosse redes sociais cheia de glamour e sorriso.  

Precisamos nos conectar com nossa essência, contemplar o belo, respirar, meditar, dar atenção às nossas necessidade internas, esse é o verdadeiro caminho da transformação, nos ligar menos ao consumismo e imediatismo que nos impulsiona a viver uma vida de aparência de faz de conta, onde SER é feio e menos dignos.

"Combine a profunda ineficiência das dietas com a falta de inclinação espiritual e teremos gerações de mulheres malucas, vorazes com aversão a si mesma". Pág.38 

Tentar preencher com a comida as necessidades emocionais é um equívoco, isso se torna um paliativo que anestesia seus sentimentos momentaneamente, mas o encaixe nunca será perfeito, no fundo vai gerar outro problema.  

Receber atenção, afeto, amor etc, são coisas importantes e valiosas, assim como a comida tem sua função e seu prazer, o grande erro é buscar resolver necessidades emocionais através da comida, essa equação não dá certo!

Permita-se sentir o que precisa ser sentido ao invés de tentar solucionar ou abafar com comida, esse será um ótimo começo para seu processo de libertação.  

Importante: Compreenda o que se busca com a comida, caso seja algo que a sua situação objetiva não lhe proporciona ter acesso, então verifique de que novas formas você pode suprir essa necessidade que não seja com o alimento.   

Faça uma gestão das suas emoções, converse consigo, medite e entenda o que está ocorrendo no seu mundo emocional, quais são suas necessidades reais. Identifique o que está sendo ruminado internamente e defina as emoções e sentimentos que permeiam seu conflito interno, assim será mais fácil você obter o que deseja e inclusive obter ajuda, lembre-se para quem não sabe o que quer qualquer coisa serve, essa é uma frase verdadeira e devemos estar presente para ela.   

Quando temos clareza de nossas necessidades e qual a relação que estabelecemos com a comida fica mais fácil rompermos com o ciclo da compulsão emocional e desenvolvermos novos hábitos saudáveis, onde possamos gerir nossas emoções e nos alimentarmos adequadamente.  

Preste atenção ao que você acredita, pois as suas crenças podem ser libertadoras ou limitantes. Conforme defendemos na PNL se você acredita que pode ou que não pode, você está certo. 

Segundo Geneen Roth, para descobrir o que você realmente acredita basta observar o que você valoriza, o seu modo de agir, as suas reações quando as coisas não ocorrem como esperado, como você come, como e com o que você gasta seus dinheiro e seu tempo.  

Precisamos buscar o autoconhecimento a aceitação de quem somos e do jeito que somos.

Romper a cultura da ditadura da beleza e da vida superficial.

Encararmos de frente nossos fantasmas internos, aceitando que somos imperfeitas, cheias de altos e baixos, mas continuamos sendo belas e com uma vida extraordinária repleta de possibilidades prontas para ser vivida com suas dores e delícias. 

Posso te garantir que existem muitos prazeres a serem explorados para além dos alimentos.  

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Ler conteúdo completo
Indicados para você