[ editar artigo]

O DIREITO À VERDADE.

O DIREITO À VERDADE.

Há que se falar a verdade para os filhos. Mas o que é a verdade?

Nestes dias, a Mariana (03), minha filha, disse: “Te amo tanto como a Lua”. Respondi: “Te amo tanto como o Sol”. E acrescentei: “Te amo como um elefante; te amo como a cama elástica; te amo como os braços da formiga”.

- Pai, folmiga não tem blaço!

- Te amo como um ovo de jacaré! - E expliquei para ela que, além das galinhas, os jacarés e as tartarugas também botam ovos. E já fomos para o “YouTube” ver jacarezinhos e targaruguinhas saindo dos ovos. A Mariana ficou encantada e falou: “Que foofiiiinhooos!”

A mim estas “verdades” fazem bem. Acho que para a Mariana também. Em relação ao Murilo (14) e à Júlia (16), falar estas verdades tornou-se mais complexo. Eles não aceitam um amor de formiga ou de cama elástica; tampouco, de jacaré. Será que não aceitam? Ou sou eu que estou pressupondo que não aceitam?

Os filhos crescem e, às vezes, parece que nos distanciamos deles. Eles enfiam a cabeça dentro de um capuz, colocam uns fones nos ouvidos e não nos dão a mínima. Será?

Há que se falar com os filhos sobre a exposição de “arte” banida de Porto Alegre? Qual é o tempo certo para apresentar uma “camisinha” aos filhos? E se os filhos se mostrarem heterossexuais ou homossexuais, há que se encaminhá-los ao(à) psicólogo(a) para que sejam (re)orientados? É necessário dizer aos filhos de onde eles vieram?

Estas verdades me fascinam e esticam as montanhas de onde vim.

Segundo o Schettini, há que se falar a verdade, quanto antes melhor, com honestidade, clareza, segurança, informalidade e paciência, sem distorções, sem mentiras e cuidando dos símbolos que usamos ao falar. Já disse Freud: “Às vezes, um charuto é apenas um charuto”.

Adotar um filho é assumir as mesmas responsabilidades, doçuras e agruras, de quem gera o próprio filho. O filho, venha de onde vier, é uma pessoa que tem direitos individuais surpreendentes. Parece simples. Então, que se fale a verdade ainda antes das penugens - se é que haverá penas.

Texto de Mario Romano Maggioni.

/www.facebook.com/marioromano.maggioni

 

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Antonio Onofre Neves
Antonio Onofre Neves Seguir

Vivendo as melhores experiências em Deus e buscando-o para todas as situações da minha vida!

Ler conteúdo completo
Indicados para você