[ editar artigo]

O sofrimento dos ciganos

O sofrimento dos ciganos

Eu não tinha nenhum conhecimento dos ciganos, mas em uma constelação meu coração entrou em ressonância, então resolvi pesquisar e escrever um pouco sobre vocês.

Queridos ciganos, irmãos, povo nômade, não visto, não valorizado dentro da sociedade, como se não existissem, tudo que tem como certo em suas vidas é serem incompreendidos, estigmatizados como pessoas sujas, vagabundas e trapaceiras.

Agora eu vejo, agora eu sinto, vocês povo cigano fazem parte desta grande ceara divina. Pouco se sabe sobre seu surgimento, dizem que fazem parte de minorias étnicas, originados do norte da Índia, divididos em vários clãs, espalhados pelo mundo. Não possuem registro escrito, sua cultura é passada verbalmente, por isso não se conhece a cultura cigana.

Sempre existiu preconceito contra os ciganos no mundo e principalmente na Europa. Durante a segunda guerra mundial, o povo cigano considerado como povo impuro, foi perseguido, considerados parte do grupo de sub-humanos pelos nacional-socialistas. Foram colocados fazendo trabalho escravo, sendo fuzilados em massa e câmeras de gás. Estima-se que houveram 1,5 milhão de mortes.

Após a segunda guerra, os judeus reconstruíram suas comunidades, tiveram um parcial de suas propriedades restituídos, já os ciganos não, seus direitos não foram reconhecidos, nem considerados pelas autoridades como vítimas. Isso se torna claro por não haver acusações contra os autores de crimes de guerra.

Agora eu vejo, agora sinto, como deve ter sido doloroso e revoltante para as vítimas e suas famílias, ter o genocídio cigano negado, minimizado ou ignorado. Hoje, no entanto, apesar de ser tarde para corrigir as injustiças vivenciadas por vocês. Sempre é tempo de lidarmos com a marginalização e discriminação, sendo contrários a essas atitudes, semeando o respeito, a igualdade e o direito de ser de cada cultura.

 

Mariele W. V. Cequinel

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Ler conteúdo completo
Indicados para você