[ editar artigo]

PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES NO SUS: um olhar através da Constelação Familiar

PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES NO SUS: um olhar através da Constelação Familiar

Em 2018, foram incorporadas mais 10 técnicas às PIC ofertadas pelo SUS, perfazendo 29 práticas integrativas e complementares oferecidas no Sistema Único de Saúde, são elas: ayurveda, homeopatia, medicina tradicional chinesa, medicina antroposófica, plantas medicinais/fitoterapia, arteterapia, biodança, dança circular, meditação, musicoterapia, naturopatia, osteopatia, quiropraxia, reflexoterapia, reiki, shantala, terapia comunitária integrativa, termalismo social/crenoterapia, yoga, apiterapia, aromoterapia, bioenergética, cromoterapia, constelação familiar, geoterapia, hipnoterapia, imposição de mãos, ozoniterapia e terapia de florais.

A Constelação Familiar, recentemente incluída no âmbito do SUS – enquanto PIC – é compreendida como método psicoterapêutico de abordagem sistêmica, energética e fenomenológica, que busca reconhecer a origem dos problemas e/ou alterações trazidas pelo usuário, bem como o que está encoberto nas relações familiares para, por meio do conhecimento das forças que atuam no inconsciente familiar e das leis do relacionamento humano, encontrar a ordem, o pertencimento e o equilíbrio, criando condições para que a pessoa reoriente o seu movimento em direção à cura e ao crescimento. 

Os atendimentos em grupos na prática das unidades de saúde visam contribuir para a ampliação da clínica e a flexibilização de conceitos de saúde- doença e a humanização da atenção à saúde. Na prática clínica da atenção em saúde, essa abordagem tem se destacado como diferencial na compreensão de sintomas “inexplicáveis” sob o ponto de vista biomédico, mas que podem ser vistos através de experiências fenomenológicas, possibilitando a compreensão do indivíduo como sujeito do processo de promoção e cuidado permanente de sua saúde – agente co-responsável pelo processo de equilíbrio entre saúde e doença.

A Constelação Familiar nas Unidades de Saúde pode contribuir para melhorar a eficácia dos tratamentos relacionados à saúde mental através de atendimentos de usuários oferece atendimento sócio- assistencial às famílias e indivíduos assistidos pelo sistema público de saúde. Assim, espera-se que os resultados contribuam para a redução dos períodos de tratamento dos usuários, possibilitando assim o aumento do número de atendimentos, com a mesma estrutura existente

Quer saber mais? 

Ana Lydia Peixoto

Terapeuta Integrativa/CRTH – BR 0730

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Ler conteúdo completo
Indicados para você