[ editar artigo]

Santa Clara no dia dos pais

Santa Clara no dia dos pais

Em algum retiro, em algum momento de minha história, aprendi a cantar como uma espécie de mantra, um refrão que diz assim: “não perca de vista seu ponto de partida”, e esse canto teve sempre uma profunda ressonância em meu ser. 

Hoje, quando celebrávamos a missa da festa de Santa Clara de Assis, descobri que foi ela que escreveu a uma irmã de comunidade: “nunca esqueça do seu ponto de partida”.  E como hoje é também comemorado o “dia dos pais”, lembrei-me dos ensinamentos de Bert Hellinger que me fizeram pensar que o ponto de partida é sempre papai e mamãe.   Independente de ter sido por amor ou por hormônios, a vida me foi possível naquele momento da concepção. E então, ali mesmo na Igreja, fiz uma oração que eu chamei de “prece sistêmica”, que diz assim:

Querido papai,

Durante tantos anos eu não dei a você um lugar em meu coração. Eu cheguei a pensar que não precisava de você pra nada. Que você não me fazia falta. Quando alguém tocava no assunto, eu dizia: “não mandei ele ir embora, não mandei ele não se importar”, como se o desenrolar da vida dependesse do meu comando.

Hoje eu compreendo que quando os pais se separam, independente da idade que o filho tenha, se estiver no “amor infantil” ele vai tomar partido de um dos pais. E eu ao fazer isso, fui fazendo julgamentos e quanto mais julgava mais distanciava. Durante 44 anos ignorei o dia dos pais e todas as datas que pudessem me trazer uma lembrança de você.

Mas de uns tempos para cá, quando fui buscar ajuda para ajudar os meus alunos, encontrei o pensamento sistêmico e, nos meus estudos sobre pedagogia sistêmica fui me encontrando. No início eu pensava que isso só tinha a ver com os meus alunos, afinal eu nunca tive dificuldade de aprendizagem, muito menos de comportamento ou disciplina, e nem financeira, pois apesar da família pobre, não me via sofrendo privações e a pobreza da vida consagrada nunca foi um problema. Mas aos poucos fui percebendo que enquanto eu ia ajudando meus alunos eu também ia me curando, até chegar ao ponto de reconhecer que você me fez falta papai, me fez tanta falta que para não sentir isso eu quis te esquecer.

Mas hoje, papai querido, eu quero dar a você um lugar no meu coração. E faço isso com muita Gratidão.  Sou grata pela vida que Deus me concedeu por meio de você e mamãe. Vocês permitiram que eu tomasse a vida num corpo físico que pode viver experiências maravilhosas. E por meio da minha Vida Consagrada, a quantas outras pessoas Deus pode se fazer presente. Jamais poderei agradecer, suficientemente, a grandeza da vida que vocês permitiram existir em mim. E pensando na Lei de Deus que diz “honrar pai e mãe”, hoje eu honro, reverencio, agradeço você papai, por ser o que você foi, do jeito que você deu conta de ser.  E acima de tudo, pelo que você é, e sempre será... o meu pai. O meu ponto de partida. Amém.

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Ler conteúdo completo
Indicados para você