[ editar artigo]

Terapia de Relacionamentos - Olinda Guedes

Terapia de Relacionamentos - Olinda Guedes

23 de junho.

Transcrição: Suzana Langner

Revisão: Ana Soligo


Anotações

A maior dor das pessoas é o relacionamento, depois vem o próprio corpo, em terceiro lugar o dinheiro. Isso é um dado fantástico para um terapeuta. Você como terapeuta, precisa ensinar as pessoas a terem êxito nos seus relacionamentos. Isso é o que mais faz as pessoas procurarem uma terapia.

Você que é um terapeuta, você é procurado basicamente por quê? Quais sãos os temas pelos quais as pessoas geralmente te procuram?

Pra mim Olinda Guedes, é relacionamento. Segundo é o próprio corpo. Qualquer sintoma. É o próprio corpo. São situações de saúde e em terceiro lugar vêm questões de dinheiro. Acho lindo isso! Porque dinheiro não move a vida das pessoas. O que move a vida das pessoas é o amor, são os vínculos, é o afeto. Que coisa mais bonita isso!

Eu quero que vocês assistam o encontro um, que aconteceu de manhã. Tinha um monte de gente achando que ia ser um clube de paquera. Entendeu? Esse não é um clube de paquera.

Olinda você acha errado? Não, não acho errado! Tem gente linda aqui no grupo, gente solteira, vocês podem conversar inbox. Fulana, achei você muito interessante, vamos fazer amizade? Vamos conversar?

Não comece se apaixonando, você não conhece nem quem é a pessoa, por mais que seja bonita, vai que é um troglodita?

Depois dos 15 anos de idade, você não pode se apaixonar por qualquer pessoa, não pode! Isso é um emaranhamento, é uma lealdade. Se você se apaixona por qualquer pessoa que você encontra, num primeiro olá, no primeiro beijinho no rosto... Pelo amor de Deus! Vai precisar fazer constelação! Isso é carência. Sabia disso?

Você imagina, que você encontra essa pessoa, não sabe quem ela é, se é uma pessoa ética, se é uma pessoa do bem, se é uma pessoa que não vai estabelecer uma relação abusiva com você. Você não sabe, gente! Tem um monte de joio no meio do trigo, não vai pensar:

Não, eu te conheci no grupo da Olinda Guedes, então você é iluminado! Não, é não! A gente não sabe, não é verdade?

A pessoa não conhece, nunca viu, só porque é bonitão e viu no clube não sei de que onde, vai logo se apaixonando. Calma! Calma!

Uma pessoa se apaixona por sua própria patologia.

A minha vida é muito mais com vocês! Isso é paixão saudável, isso é afeto. Isso é amor ágape. Então quando você fala eu sou apaixonada pela vida, eu sou uma pessoa apaixonada. Eu desejo que todo mundo experimente essa sensação de transbordamento, não é uma sensação de transbordamento?

Ai, meu Deus! Eu vou morrer, se essa pessoa for embora.

....

Paixão saudável, é isso. Você sabe que você vive sem a pessoa, mas que a sua vida é tão mais, quando você está pertinho dela, está junto dela. E você cuida dessa pessoa. Cuida da felicidade dela e se ela não cuida você dá uns trancos.

Quando você se apaixona. Você encontra a sua patologia.

Nossa! Eu me apaixonei! Eu lembro! Eu tinha 14 anos, quando eu me apaixonei, foi a primeira vez que encontrei a minha própria patologia. Esse homem me rejeitou tanto, que nunca namorou comigo. Mas qual que era a história de vida dos sistemas? Qual a história de vida conjugal da Olinda? Como é a história dos homens do meu sistema? Que os homens deixavam as mulheres!

Depois que eu curei, a minha história com os relacionamentos conjugais, com minha dor com o masculino, os homens chegaram. Chegaram cinco de uma vez. Mamãe, chegamos! Aqui não tem machismo, lavam louca, esfregam banheiro, as meninas jogam bola, os meninos cozinham, tudo junto! Curamos!

Ou seja, aos 14 anos de idade, quando eu me apaixonei, vocês acham que eu tinha condição de saber por que eu estava vendo o meu próprio destino. O meu emaranhamento. Entenderam o que estou falando? Era isso que estava acontecendo. Claro, que ele ia ter que agir comigo, apesar de ser uma pessoa linda, e falava que queria me namorar, muito anos a gente se encontrou, nossa! Mas eu apaixonado por você também. Ora, por que você não falou que ia logo te namorar. Eu falei, ué! Mas eu tentei segurar na sua mão, e você correu.

Naquele tempo as meninas de 14 anos tinham medo dos meninos, tinham vergonha, tinham timidez. Eu saí correndo. Quem vai segurar na minha mão? Mas eu era uma menina vivendo o meu destino. Eu poderia ter segurado na mão, mas eu não segurei. E aí eu fiquei pensando que ele não me queria e arrumou outra namorada, e agora acabou o mundo. Entenderam como é o destino, como é a patologia?

A patologia faz você atrair as suas lealdades, os seus emaranhamentos.

Exercícios:

Escrever 10 qualidades que faria com que alguém se apaixonasse por você.

Acho lindo isso! Ninguém precisa ficar parado em relacionamento que traz dor e sofrimento e de repente, a separação vai ser o ápice do sucesso no relacionamento, não precisa ter briga, não precisa nada. Quando eu me divorciei, a gente foi ate o juiz, era uma juíza. Ela disse assim: tem certeza que vocês querem se separar?

Não! A gente quer se separar!

Nossa! Vocês se tratam tão bem, vocês têm tanta amizade. Tem certeza que vocês não querem continuar casados? Que coisa linda! Que sucesso, que coisa linda!

Claro! Nós não somos amigos, nós não mantemos uma amizade como amigos, eu tenho algumas reflexões acerca disso. Mas nós temos respeito um com o outro. Então, ninguém precisa viver em relacionamentos infelizes. Mas a gente não pode entrar com a idade que a gente tem agora em casamentos que não sejam duradouros. É muito triste, você viver um relacionamento que não seja duradouro. Essa é uma premissa pessoal minha. Cada um que leve adiante suas premissas e escreva do jeito que quiser a sua vida.

O próximo exercício que você vai fazer, você vai escrever qualidades que você vai desenvolver, não pode ser menos que meia dúzia, pelo menos meia dúzia, de característica, de qualidades pra gente desenvolver, pra manter um relacionamento durante pelo menos 30 anos, 10 anos...

Eu! Se eu casar de novo, vou ficar bem velhinha do lado dele, nem dois anos, nem 20 porque vou viver até 108 anos. Dois velhinhos. Sentados no banco da praça.

Olinda, mas eu não sei bem, o que é que eu vou escrever para desenvolver. Você vai dar um Google. Nós aqui vamos imitar os jovens. Agora, o Covid empurrou pra gente ficar junto com eles. Não sabe, pergunta. Nós vamos perguntar pra o Google.

O que faz uma pessoa viver feliz durante 50 anos num casamento? Quais qualidades?

Por exemplo, uma das coisas que faz com que os casais vivam junto durante muito tempo, eu penso que é a polidez. Vocês sabem quando você é uma pessoa polida e elegante, sabe?

Você falar por favor, com licença com a pessoa que você vive agora. Os meus filhos sabem disso. A mamãe trata bem os alunos, mas a mamãe trata bem vocês também. Tudo bem, não dou chineladas em alunos, mas também meus alunos me respeitam. Nenhum aluno tira farinha com ninguém. Mas quando precisa, a mamãe pede silencio. Então, a gente precisa de tratar a pessoa que a gente quer bem, igual a gente trata as pessoas que a gente está conhecendo agora. Porque não faz sentido, por exemplo, eu tratar o Coronel Elias com deferência, porque ele é uma autoridade e eu vir aqui e tratar o meu pai de qualquer jeito.

O que faz que relacionamentos deem certo durante muito tempo? O que, que pessoas que ficaram juntas fizeram?

Por que ficar junto aguentando uma toupeira, não está certo. Não faz isso! A minha vó falava, minha vó foi casada com um brucutu, que ele era muito violento.

Meu avô era um destemperado, minha vó nunca separou dele, ela não tinha permissão de separar, aquela coisa de antigamente. Aí ela falava assim: Falo da vida, não falo da morte. A gente falava: vovó a senhora não fica triste que o vovô morreu? Porque a gente chorava, a gente gostava dele. Pra gente ele era bom, era óbvio que ele era bom pra gente. Um docinho. Mas pra vó Maria... Imagina! Se o pai dele morreu de desgosto porque era discriminado pela família da mãe, vocês acham que ele iria amar uma mulher? Qualquer mulher que ele encontrasse na frente, ele ia dar uns sopapos...

E a minha vó falou: você nunca mais levanta a voz pra mim! A minha vó era uma mulher valente.

...

Então vocês vão dar um Google e pesquisar.

Imagine assim: Alexandra vai perguntar para o Tito, tem que ter coragem e confiança. Você também vai perguntar pra Alexandra Tito. São duas coisas para o casamento dar certo, e viver por muito tempo:

A gente sabe que vai levar umas pedradas, mas a gente só cresce com feedback. Entendeu?

Meu bem, o que você acha que eu preciso melhorar?

....

Constelação.

Esses encontros são pra vocês também que já estão casados, pra continuarem mais felizes ainda.

....

Enquanto não constela, não faz a tarefa não vai conseguir o amor da sua vida.

O amor da sua vida, só vai chegar quando você curar a dor da sua vida.

Olinda, por que que o amor da minha vida não chegou ainda? Por que você não curou a dor da sua vida.

....

Se você quer ser feliz, se faz 500 anos que você está raspando tatu com machado, está triste, com saudades de alguém. Fica quieto! Já que o Covid chegou, fique em casa!

Olinda! Mas eu não posso ir pro Tinder e começar a namorar? Não, não pode!

A energia é a mesma! Entenderam? Não existe essa história de real e fictício. O mundo irreal é tão real quanto o mundo físico. Não é porque está no Tinder, que sua energia vai estar exposta. Vai estar exposta do mesmo jeito. Vai levar esse você que não está atualizado, ainda curado. Vai levar pra o Tinder, você vai encontrar alguém que tem uma dor, que tem a sua dor. Entenderam? Não vai!

O que eu quero dizer pra vocês é isso: Não vai se apaixonando pela primeira pessoa, se você não está terapeutizado, se você não está curado. Entenderam o que estou falando? Estamos junto nisso?

Temos mais quatro encontros. E quando forem pra o Tinder vão pra o Tinder Premium. Eu quero que vocês comecem a pensar assim:

Quais qualidades, que qualidades eu tenho e que fariam com que alguém se apaixonasse por mim?

Entenderam?

O que faria com que alguém se desapaixonasse por mim em 30 dias?

 

 

 

 

 

 

 

 

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Anna Soligo
Anna Soligo Seguir

15 anos de magistério, e 20 dedicados ao estudo de Reiki, Shantala, Florais de Bach e massoterapia. Utilizando as Constelações Sistêmicas Familiares há 2 anos, com a graça de estudar a PNL de uma forma sistêmica na metodologia de Olinda Guedes.

Ler conteúdo completo
Indicados para você