[ editar artigo]

Uma escola esquisita

Uma escola esquisita

Era uma vez uma escola muito chata, cinza e muito quadrada

As crianças nesse lugar não podiam correr, brincar e pular

Nesse lugar você podia apenas estudar e seu coração não podia se expressar

Tinha um grande portão que parecia uma grande prisão

Sirenes sempre a tocar e as aulas deveriam voltar

50 minutos e a aula voltaria a mudar

 E na mesma fileira deveria ficar

 

A escola era muito sem graça e as professoras eram muito chatas,

Regras por todos os lados, e um recreio muito chato

Onde deveria escolher entre comer ou brincar

Provas para avaliar a todos, sem olhar o singular

Escrever era única forma que poderia se expressar

E foi nesse dia que meu coração começou a murchar

 

Até que um dia eu fui brincar, correr, pular,

E pediram pra eu parar

Nesse dia meu coração se abriu,

E os muros dessa escola eu pulei

Asas eu criei e um mundo novo imaginei

 

Um tatu eu encontrei e por vários caminhos eu passei

Um túnel sempre a cavar

Quando cheguei até ao mar

Aos que vieram antes aprendi a agradecer 

E aos poucos me encontrei

Aos ancestrais aprendi a pedir  

E um cavalo eu encontrei 

Terra, água fogo e ar, 

E uma linda tartaruga veio me levando ao mar

Aos poucos percebi que meu lugar seria ali

 

Uma hora eu cansei e resolvi parar

Nas margens de um rio eu cheguei

E lá um bosque encantado eu encontrei

 

Um elefante a brincar

Um macaco a pular

Uma lebre a cavar,

Um beija- flor a voar

 

Logo um mundo novo se abriu e

Uma nova escola surgiu.

Aos ancestrais a agradecer

E uma ponta de flecha aparecer

Lá era tudo diferente, todos eram contentes

E podiam brincar, dançavam em rodas e podiam até chorar

 

Ter coragem é a chave, pois vem do coração

O sagrado eu aprendi e ser criança a voltar,

Com novos amigos comecei a cantar,

 Sempre com cooperação aprendi que só possível viver com gratidão

 

Nessa escola diferente quero morar

Com olhos grandes para me olhar

Ouvidos para escutar,

Alimentos na floresta plantar,

No bosque poder correr

Argila para poder brincar

 

Ouvir minha alma eu aprendi 

Que minha existência deseja expressar

Um novo Gustavo me tornei, e como educador resolvi me aceitar

Era antes um buscador que resolvi me encontrar

 

Junto com as tartarugas quero morar, para mundo novo criar

Com a essa nova escola aprendi que é possível integrar

Diversas matérias no mesmo lugar

Novos métodos eu aprendi a pedagogia viva e consciente mora ali,

Uma uruguaia a contar novas formas de educar

 

Pachamama a agradecer, em quéchua poder dizer

 Ayni significa cooperação, mas tudo flui do coração

As diferenças poder integrar, e o potencial poder olhar

Mostrar que é capaz de deixar as crianças em paz

Um novo adulto florescer, ao pequeno mestre agradecer

Novas formas de aprender sempre olhando o singular

 

O ano novo maia vai chegar e

Iremos celebrar uma fogueira a queimar

Para poder nos conhecer,

Nossas crenças queimar, uma música a criar

Uma voz a dançar,

Carinhos a aceitar,

Ajuda a pedir e os sentidos aguçar

 

Com a Ayni aprendi que tudo pode recomeçar,

Quando um novo ovo eclodir uma nova tartaruga

Vai chegar e com ela eu aprendi que o mar é meu lugar

 

Uma flechada vai mostrar a importância de agradecer,

Uma semente vai se transformar na fruta no altar,

Novos caminhos percorrer para então se conhecer

Um geodo encontrar,

Em roda poder dançar,

Ganhar um copo do Feijão e poder ter certeza

Que só é possível educar com o coração

 

Gustavo Krüger da Costa Barreto

Poema baseado nas vivências, histórias e músicas criadas durante o retiro de formação para entusiasta de uma nova educação na Cidade Escola Ayni dos dias 22 ao dia 28 de julho.

 

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Ler conteúdo completo
Indicados para você