[ editar artigo]

Vínculo quebrado com a mãe. Como o renascimento pode ajudar?

Vínculo quebrado com a mãe. Como o renascimento pode ajudar?

Começo esse texto com a frase de Bert Hellinger:

“O Sucesso tem a cara da mãe”. 

Quer ter sucesso na vida? Mude sua imagem interna de sua mãe!

E como fazer isso? Reparentalizando e ressignificando.

Toda criança tem uma relação especial com sua mãe e por ser tão especial em geral é uma relação intensa. Tanta intensidade pode ser vivida no amor, pois estivemos conectados com ela durante os meses de gestação, fomos alimentados e supridos por ela. Também pode ser vivido pela dor, caso tenha tido algum movimento que interrompeu o amor da mãe até a criança.

Muitas vezes amamos profundamente nossa mãe, porém no amor infantil. Amor esse que prefere sofrer a ir para a vida, que também escolhe repetir as mesmas histórias pois acha que só assim se manterá unido a essa mãe.

Todo mundo tem de passar por um movimento de separação da mãe para ir até o pai, e do pai ir até o mundo. Quando isso não ocorre, ficamos irritados e acabamos querendo punir nossa mãe através dos nossos infortúnios, decidimos ser infelizes. Escolhemos caminhos que não nos fazem bem.

Essa separação também pode se dar pelos movimentos interrompidos em nossa primeira infância. No momento em que precisávamos vitalmente de nossa mãe, sua ausência pode gerar uma profunda ruptura com essa figura.

Poderia ser que sua mãe não estivesse disponível, ou infantilizada, e até mesmo separada de você por forças maiores (doenças, outros filhos e outras obrigações com a subsistência).

Se nossa ruptura com a mãe não for revista e não criarmos uma outra imagem mental dela, podemos estar destinados ao fracasso. Como assim destinados? Escolhemos não ter sucesso, pois ter sucesso significa admitir que ela fez bem seu trabalho.

Por isso, para ter sucesso precisamos revisitar essas separações. E como podemos fazer isso? A constelação é uma ferramenta que mostra e muitas vezes resolve esse movimento interrompido em direção a mãe. Porém, em outros momentos é necessário fazermos renascimento, pois nele entendemos que o essencial nos foi dado e podemos nos conectar com a abundância que existe dentro de nós.

No renascimento revisitamos nosso período uterino, liberando as memórias traumáticas que estão contidas no registro celular. Também fortalecemos o autoamor, pois tudo o que nossa mãe sentiu naquele momento não tinha que ver conosco. Como assim? Se sua mãe te rejeitou ou não aceitou bem a gestação, se a gestação foi difícil, isso está relacionado a sua mãe e as questões sistêmicas. Isso não fala de você, por isso sabemos que não foi pessoal. Nesse contexto é que entra o autoamor. Ajudando com que nos conectemos com o essencial.

Esse é o lugar em que o renascimento nos coloca como protagonistas. Aceitamos tudo como foi. Aceitamos o essencial dado por nossa mãe e tudo que sentimos que “faltou”, podemos nos dar. Coloquei entre aspas, pois a falta é só uma ilusão. A ilusão de que a vida é um fracasso, sendo que ao sugar o ar pelo nariz, posso perceber que a vida está aí. 

O renascimento nos ajuda a liberar as dores relacionadas a nossa mãe. A cada respiração, a cada carinho que fazemos em nós, transformando a relação com nossa mãe e consequentemente com a vida e com o sucesso.

 

Rodrigo Oliveira

Terapeuta sistêmico integrativo

 

Quer fazer renascimento online?

https://www.instagram.com/reconectandocomavida/

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Ler conteúdo completo
Indicados para você