[ editar artigo]

A DOR E A FORÇA DA ORFANDADE

A DOR E A FORÇA DA ORFANDADE

Eu e meu filho viemos passar uns dias, ainda mais protegidos do Covid 19, no sítio que meus nonos Guido Genildo Borsoi e Helena Zancheta Borsoi construíram com a ajuda de seus filhos.

Estar aqui é realmente estar em muita segurança, é o estar de volta.

Eu e minha irmã mais nova que moramos aqui por um ano, enquanto minha mãe acompanhava nossa caçula na luta contra a leucemia em Curitiba.

Tínhamos quatro e cinco anos e ela tinha três.

Em 1985 quase todas as crianças morriam, mas ela voltou para nossa casa. Todas crescemos muito com isso.

Estou lendo Hellinger (A fonte não precisa perguntar pelo caminho) e de repente me conectei com uma dor da minha nona.

A dor de ter ficado órfã de mãe aos oito anos e quis olhar para o motivo dessa orfandade, que eu sei que eu também sinto e que também percebo na minha mãe.

Minha bisa, Maria Gallon Zancheta, morreu num parto.

Minha tia disse ter ouvido a Nona Helena contar:

-Quando olhei, havia sangue passando por debaixo da porta do quarto.

A morte.

 O fim de algo e o nascimento de uma nova filha.

Agora vejo o tamanho da tristeza e do não, que a nona me mostrou em uma constelação.

Quanta dor perder a mãe.

Conectei-me com elas, acendi uma vela no jardim e constelei mais uma vez naquele momento.

Quanto medo a bisa Maria deve ter sentido.

Medo de morrer, medo de deixar os oito filhos nascidos sem mãe, medo de perder o bebê no parto que na verdade eram gêmeos.

E foi o que aconteceu, os três morreram.

E quantos órfãos nós somos.

Acredito que a imensa força de unidade que mantém nossa família Zancheta Borsoi ainda com uma energia de reunião até hoje, tenha vindo em muito dessa dor.

Minha Nona teve 12 filhos e pelo que apurei, o único problema grave que teve foi uma séria infecção causada pela retenção da placenta depois do último parto.

Como zootecnista, hoje entendo que isso deve ter acontecido por uma deficiência nutricional que ela devia estar, com toda razão,  mas também entendo que parir e criar 12 filhos naqueles tempos é o que se pode ter como prosperidade e também, o suficiente.

Que benção!

Quantas mulheres tão fortes, e como eu sinto essa força, essa energia em mim. Olho com muita gratidão e reverência para todas elas por eu ser parte desse feminino, mas já posso dizer ao masculino que eu também o honro em mim, e que sim, eu preciso dele e já posso amá-lo e que é seguro e bom confiar nele.

Querida bisa e amadíssimas nona e mãe, eu as reverencio por tanto amor e serviço.

Percebo vocês no olhar de admiração que sempre recebo do meu relacionamento amoroso.

É tanta energia que até fica difícil equilibrar a troca, e é o que tenho me esforçado para aprender.

E quantas mais consequências dessa ausência dos pais na vida de um órfão.

Mas eu já conquistei um tanto de mim mesma.

Já consigo cuidar de mim e permitir-me muito, sustentada tanto pela enorme energia de vida que vem tanto do feminino quanto do masculino que existem em mim e me fazem completa e suficiente.

Olho para meu filho, aqui neste lugar que é uma bateria carregada, com tamanho amor e também permissão para que ele viva e leve a vida de todos nós adiante, com a felicidade e a leveza do deixar fluir.

Amo tanto quem veio antes quanto amo quem vai me permitir continuar viva.

Amo e peço permissão para viver.

Por favor!

#Reflexões

Constelações Sistêmicas

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Ler conteúdo completo
Indicados para você