[ editar artigo]

A VIDA ESCOLAR

A VIDA ESCOLAR

 

Quando fui para a escola pela primeira vez, eu já estava com 8 anos de idade. Já sabia ler e escrever. Aprendi em casa com meus irmãos mais velhos.

O primeiro dia na escola foi recheado de muita ansiedade e medo. Para começar eu estava morando na casa de uma irmã, porque ela morava perto da escola, na fazenda que meus pais moravam não tinha escola perto e eu era a única criança em idade escolar.

Era a primeira vez que ficava tão longe de casa. Então, estava acontecendo um turbilhão de emoções que eu nem sei descrevê-las.

Chegou o dia de ir para a escola. Meu caderno, lápis e borracha já estavam preparados dentro de um saquinho plástico para não sujar. E também era o que tinha para levar meu material para a escola.

Minha irmã preparou um lanchinho, ainda me lembro do sabor, mas eu fiquei com vergonha de comer na frente dos colegas, e procurei um lugar mais escondido para saborear a farofa de rapadura que minha irmã preparou com muito amor.

Bom, quando cheguei a escola, fiquei encantada e assustada com tantas crianças. A professora veio me receber e me mostrou uma carteira para eu me sentar.

Eu não interagia muito com as outras crianças, estava sempre acuada, tinha muita vergonha, e focava bastante em aprender.

Com o passar dos dias, a professora percebeu que eu estava um pouco a frente dos colegas daquela série, e me mudou de ano. Achei os conteúdos  mais interessantes e  me dedicava muito para aprender rápido e poder voltar para casa nas férias.

Eu gostava muitos dos professores, e sempre tive muito respeito por cada um que dedicou seu tempo para me ensinar.

Quando a escola tem um bom lugar no coração da família, a criança ao crescer, estará em paz no mundo do trabalho.

Onde estão os nossos pais?

Nossos pais estão em nós! Em nosso ser.

É correto afirmar que nunca se está só. Sempre somos pai, mãe e algo mais, nossa individualidade, nossa singularidade. Assim o todo é maior que a simples soma das partes.

Se o fluxo de amor foi interrompido na infância, o adulto espicha, mas não cresce. Permanece criança esperando o amor dos pais chegar.

Eu só me dei conta de que o tempo estava passando e eu ainda me sentia como uma criança esperando que papai e mamãe pegassem na mão e me apresentasse a vida quando meus filhos chegaram. Foi um chacoalhão para eu dar a papai e mamãe um bom lugar no meu coração.

Quando um adulto está rompido no amor em relação aos seus pais, ele tem dificuldade de amar as crianças.

A paz acontece como consequência da reconciliação entre pais e filhos. Da gratidão para com os pais pela vida que foi entregue.

#mod05

Constelações Sistêmicas

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Ler conteúdo completo
Indicados para você