[ editar artigo]

AO MEU POVO COM AMOR E GRATIDÃO!

AO MEU POVO COM AMOR E GRATIDÃO!

                                         Carta aos Antepassados

Antes de começar, diante de todos vocês, por onde a vida chegou até mim, faço uma profunda e longa reverência. Recebo esta vida ao preço que lhes custou, e farei algo de bom com as moedas que recebi. Todos vocês têm um bom lugar em meu coração.

Vejo em mim suas tradições e costumes, como a garra e a vontade de estudar do meu avô paterno, que após longas horas de trabalho, viajava quilômetros noite adentro em busca da sua formação acadêmica.

Exemplo de homem, filho, esposo, pai e avô, que a cada ano se reinventa, buscando evoluir e se adequar à nova realidade, sem perder seus princípios e valores. Com ele, aprendi e continuo aprendendo, o que é amar a Deus e a nossa família. E como é lindo vê-lo discursar nas festividades. Fico babando mais como uma fã do que como neta.

Vovô, eu vejo o Senhor! Sou grata pela minha vida!

Também vejo em mim, a alegria, a irreverência humorística, o jeito brincalhão e o espírito empreendedor do meu avô materno. Apesar dos desafios da vida, foi um grande empresário, empreendendo no ramo de café e sucos, quando na época quase não existia indústrias nesse segmento.

Ele pôde me proporcionar momentos inesquecíveis da minha vida, como sentir o aroma do café secando no pátio, passear entre os tonéis de suco na fábrica, além, claro, das boas risadas das histórias que ele contava.

Vovô, eu vejo o Senhor! Sou grata pela minha vida!

Agora, dirijo-me às minhas matriarcas. 

Minha doce e elegante avó paterna, a quem herdei o nome. Com tanto amor a dar, que Deus lhe concedeu a honra de ter sete filhos e muitos netos. Com sua herança italiana, gosta de ter a casa cheia, e com muita fartura à mesa.

Sempre pronta a nos abraçar e encher de amor e carinho, que só aumentou ao longo dos anos. Com seus olhos azuis e cabelos loiros sempre bem arrumados, diz que toda mulher tem que se produzir. E isso existe muito em mim. (risos)

Vovó, eu vejo a Senhora! Sou grata pela minha vida!

Com a minha avó materna, pude aprender a amar e respeitar os animais, além de não se abater diante das dores da vida. Ser independente, ir em frente, mesmo com medo. Fico admirada com sua habilidade em fazer artesanatos, que herdou de seu pai, que era um bom alfaiate.

Pouco convivi com meus bisavós, mas hoje procuro incluí-los na minha vida, seja através da energia do comerciante, do meu bisavô paterno, ou sendo uma boa mãe e dona de casa como minha bisavó paterna. Ou quem sabe, fazendo trabalhos manuais como meu bisavô materno, ou ainda, ministrar aulas e/ou palestras, como minha bisavó materna fazia com maestria.

Aos meus bisavós, sou grata pela minha vida! Eu vejo vocês!

Através deles, tenho meus pais. Cada um com suas grandezas, histórias, desafios e vitórias.

Meus pais amados, sou grata pela minha vida. Vocês são grandes, e eu sou pequena diante de vocês. Tomo a vida que me destes, e passarei adiante.

Com uma profunda reverência a todo meu povo, sigo para a vida.

Eu digo “sim” à vida!

Gratidão!

Constelações Sistêmicas

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Ler conteúdo completo
Indicados para você