[ editar artigo]

AS ORDENS DA AJUDA

AS ORDENS DA AJUDA

QUEM SE IMPORTA SERVE, E SÓ SERVE QUEM SE IMPORTA”. Esse é o lema da escola Real, que expressa a importância da nossa tarefa de cuidar do outro.

Bert Hellinger nos apresentou os passos para ajudar, pois não é fácil e precisa ter uma métrica que ele chamou de ORDENS DA AJUDA.

PRIMEIRA ORDEM DA AJUDA é dar somente o que se tem e pedir somente o que se necessita. Quando perguntamos para a pessoa o que ela quer...e nos diz que precisa de ajuda. Podemos ajudar como constelador ou terapeuta. Porém, se chegar dizendo que quer modificar outra pessoa, precisamos esclarecer que só podemos ajudar quem quer mudar a si mesma.

SEGUNDA ORDEM DA AJUDA é permanecer humilde dentro dos contextos. Significa tomar a realidade como ela é, considerar as circunstâncias, observar o todo, nunca uma queixa isolada da pessoa. Ao considerar o todo  encontra-se a causa do sofrimento, por isso, precisamos avaliar perguntando: quando isso acontece, como, com quem, de que modo, quando começou, para encontrar a solução.

TERCEIRA ORDEM DA AJUDA é considerar que a ajuda só é possível em uma relação de adultos. Tratarmos o outro como adulto, amadurecido, e que a ajuda deve acontecer de adulto para adulto ou seja, dois iguais com o objetivo de melhorar as circunstâncias numa relação de respeito.

QUARTA ORDEM DA AJUDA é se colocar diante do outro incluindo todo o seu sistema. Ouvir e olhar o cliente na sua queixa inserido no seu sistema, com profundo respeito pelos seus antepassados e pelas lutas de cada um. Nunca colocar o cliente como certo e o seu sistema como errado, nem assumir atitude presunçosa de analisar o que fizeram. Devemos olhar para o sistema como um todo, com amor e respeito. Precisamos também nos colocar ao lado de quem contra o qual se tem uma queixa.

QUINTA ORDEM DA AJUDA é o não julgamento, é amar o outro mesmo que nada se modifique. Bert Hellinger diz que você só pode ajudar uma pessoa, quando der a ela e seu sistema um bom lugar no seu coração, sem julgar, sem criticar, sem menosprezo. Caso contrário estará impedido de ajudar, e o terapeuta precisa estar consciente, para reconhecer no seu coração esse impedimento.

 As gramáticas das constelações nos revelam informações importantes sobre o cliente que busca a constelação. Devemos estar atentos ao cliente e suas atitudes desde o primeiro contato, não apenas no momento da constelação, pois sinalizam como é o funcionamento do seu sistema. O cliente precisa saber que cura é jornada, não é episódio e em alguns casos precisarão de um tempo maior nesse processo.

A métrica para dar alta para um cliente, diz que ele precisa “ estar saudável”,    “ estar próspero” e “estar feliz”, se não estiver assim não está pronto para concluir essa jornada de crescimento.

As frases para solução servem para completar, selar o movimento da constelação e devem sair do coração do constelador, para o coração do cliente. São a ligação entre o estado atual para o estado desejado pelo nosso cliente, no menor tempo e sofrimento.

Após constelar, sempre pergunte ao cliente se o que está levando é o que veio buscar, se sua expectativa foi correspondida. Saber se está bem, dar sugestão de leitura, dar tarefas para sair do emaranhamento, fazer uma avaliação da vida como um todo da pessoa. e ressaltar que mudança vai acontecer.

Na última aula do módulo 8, a professora Olinda fala das constelações como um estilo de vida, realmente existe o antes e depois de começar esse curso.

A cada aula gravada ou ao vivo, as curas foram tantas, tantas, que hoje me percebo muito mais leve, sem o peso dos sofrimentos, que meus antepassados e meus pais tiveram;  mudanças ocorreram na família, trazendo muito mais leveza no convívio.

Constelações Sistêmicas

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Ler conteúdo completo
Indicados para você