[ editar artigo]

BARULHOS INTERNOS E A ORFANDADE FUNCIONAL

BARULHOS INTERNOS E A ORFANDADE FUNCIONAL

A frase “muito diálogo interno significa orfandade” foi impactante para mim.

Desde o início do curso eu percebi o quanto a minha criança interior estava ferida. Ela foi órfão por muito tempo. No início, quando constatei a orfandade, senti raiva de meus pais, como se eu não aceitasse a forma como tudo foi.

Eu não queria, mas eu senti.

Relembrei e acessei que eu tive que crescer muito rápido, aprender a me virar e a sobreviver desde nova. Meu pai era caminhoneiro, então pouco estava em casa. Mamãe era professora e, para o sustento, trabalhava de manhã, de tarde e de noite.

Engraçado que ao escrever essas palavras eu finalmente compreendo porque eu tenho uma certa “aversão” em trabalhar a noite. Sempre foi muito forte isso para mim.

Eu não conseguia compreender o porquê.

Apenas sentia que a noite não havia sido feita para isso, que era reservada à união, ao aconchego familiar, ao repouso. Então, quando precisava trabalhar a noite, a minha criança ficava muito irritada. Fazia birra. Emburrava.

Mal entendia eu o motivo.

Mas agora eu sei. Eu sei o tamanho da solidão que ela sentia quando criança. Eu sei que ela queria fugir e nunca mais voltar. Agora eu sei. O essencial da vida eu recebi.

Eu agradeço e decido seguir.

Aos poucos fui diminuindo os ruídos externos e me permitindo sentir. Permitindo repousar. Permitindo respirar. Permitindo relaxar. Cada vez mais a minha criança se aconchega. Agora ela sabe que sou eu adulta quem cuidarei dela. Afinal, quem cuida de criança é adulto. Agora eu provenho os cuidados que ela necessita.

E assim ficamos em paz...

Constelações Sistêmicas

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Maithê Luiza Girardello
Maithê Luiza Girardello Seguir

Advogada, protetora dos animais e apaixonada pelos saberes sistêmicos.

Ler conteúdo completo
Indicados para você