[ editar artigo]

CARTA AOS ANTEPASSADOS

CARTA AOS  ANTEPASSADOS

Queridos Antepassados,

Quando inicio a jornada à historia de vida de vocês, um filme se inicia em minha cabeça. Fico imaginando a garra e força que tiveram para conseguirem passar a vida adiante.

Agradeço aos bisavós paternos por parte da  minha mãe, de origem japonesa. Vieram pequenos com seus pais, fugidos da guerra, em prol de uma vida com menos pobreza e miséria.

Sou grata ao legado dos bisavós maternos por parte da minha mãe, meu bisavô gaúcho, bondoso e muito trabalhador, minha bisavó Apolônia adoecida, com muitos conflitos internos e dificuldades em oferecer amor. Ainda assim, conseguiu ter três filhas.

Quando você, bisa Apolonia, passou a criar uma de suas netas e decidiu que não iria dar conta, logo tirou a vida dela, pois queria morrer, mas não queria deixá-la sozinha no mundo; em seguida, tentou tirar a própria vida sem no entanto conseguir, e você viveu mais alguns anos e teve de reparar o dano causado.

Querida vovó Luiza e vovô Paulo, que vieram dos lares supracitados, os admiro pela vida que construíram, com muita força e sem medo de trabalhar e encarar os desafios necessários para a sobrevivência.

Criaram oito filhos, onde todos encontraram seus meios de subsistência. Gratidão vovô pelas brincadeiras de vampiro quando éramos crianças, ríamos a beça e nos divertíamos muito.

Quando você se foi, vovô, no dia de meu aniversário de 15 anos, pensei que aquilo fôsse tão triste, mas hoje sei que é algo que nos une de modo único.

Vovó, em sua casa, nós primos brincávamos em sua banheira e a deixávamos maluca, como você se alegrava em receber todos os netos mesmo sem os pais estarem por perto. Quanta responsabilidade! 

Hoje nós nos afastamos, vovó, por situações da vida, mas mesmo de longe, sinto gratidão por tudo que vivemos e lhe desejo muito amor. Semana passada em seu aniversário, resolvi te ligar, preocupada em como seria recebida, percebi que não foi estranho, foi tranquilo, leve e gostoso.

Aos meus ilustres bisavós paternos por parte de pai, minha profunda gratidão.

Meu bisavô que se foi tão cedo por um infarto, pouco sei a seu respeito, apenas da bondade e dedicação ao trabalho, gratidão e também grata sou a minha bisavó, que possivelmente era muito maternal, visto que suas filhas, tias maternas de meu pai, são um poço de doçura e amor. Entretanto, só me recordo da senhora muito velhinha e doente e sei que você partiu em 1996, pouco depois que eu, meu pai e mãe retornamos da Escócia.

Seu Esperidião, meu bisavô materno por parte de pai, faleceu em 1998, quando eu tinha apenas 7 anos; apenas lembro da calmaria que transmitia. Meu pai faz questão de dizer que você era tranquilo, sempre presente na vida dele, gostava de contar histórias e discutir política.

Dona Amélia, minha bisavó por parte de pai, com quem tive a oportunidade de conviver até meus 15 anos. Que mulher! Uma pessoa muito carinhosa, mas muito autêntica em seu modo de ser, corajosa e sem medo de se posicionar, principalmente para o tempo em que viveu.

Gratidão aos 4 pela vida de meu avô Hernani e minha avó Maria Eugênia.

Vovô deixava eu fazer chuquinha quando criança, brincava comigo e sempre trazia as guloseimas que eu gostava. Sinto muito pela tristeza que o tomou após a morte da vovó. Hoje não consigo ter a mesma aproximação, sinto que meu aprendizado é ao menos conseguir fazer a minha parte de demonstrar cuidado.

Vovó Gena, voce que era professora, estudiosa, espiritualizada. Tive o prazer de conviver 9 anos com a senhora, que lindo. Era tanto amor, tanto carinho e tanto aprendizado. Até hoje percebo o quanto está presente em nossas vidas, sempre tem alguém que faz questão de destacar a sua sabedoria em lidar com as pessoas, sabia se aproximar e conquistar a confiança de todos a sua volta. Vovô disse que seu riso era solto e frouxo. Ah, e como era!

Mamãe, com você e todos os seus ancestrais aprendi a rir, me divertir, ter uma dose boa de bom humor, a me posicionar de maneira assertiva, a ser transparente, a gostar de biologia, química e a dar valor ao trabalho.Todos me ensinaram a ser mais resiliente mesmo com as dificuldades que a vida apresentou.

Papai, com você e todos os seus ancestrais aprendi a ser estudiosa, dedicada ao conhecimento, ser curiosa, adorar palestrar, gostar de uma prosa em volta da mesa por horas a fio, a gostar de física, matemática e me interessar por seres humanos. Tenho este desejo de conhecer a alma das pessoas e ajudá-las com os recursos que vou adquirindo.

Papai e mamãe, sou muito grata pelo amor que me deram, a dedicação que recebo até hoje, sinto que posso contar com vocês todos os dias. Sou grata por aprender a importância do amor e respeito em um casamento. Graças a isso consegui encontrar meu grande amor e companheiro e já estamos a espera de nossa pequenina Lívia. Com ela pretendo aplicar tudo que senti e aprendi nesta linda jornada que chamamos de vida.

 

#mod 01 

Constelações Sistêmicas

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
NATALIA NEGRAO
NATALIA NEGRAO Seguir

Ler conteúdo completo
Indicados para você