[ editar artigo]

CARTA AOS ANTEPASSADOS

CARTA AOS ANTEPASSADOS

Meus queridos bisavô Tomaso e bisavó Giustina,

Como me identifico com vocês! Eu e você, meu bisavô paterno, nascemos no mesmo dia 17/04, você em 1863 e eu 112 anos depois.

Exatamente 151 anos após seu nascimento fui buscar a nossa história familiar. Mas, naquele momento eu ainda não tinha vivido dores tão parecidas com as suas, queridos bisavôs. Agora eu reconheço vocês, percebo e entendo suas dores e vejo vocês, meus queridos.

Viajaram para outro país com uma língua desconhecida e sem ninguém, a não ser vocês e seus filhos. Antes de partir perderam Giuseppe. Eu entendo, pois mudei para a Holanda e senti muita dor, sofrimento e solidão, além de dificuldades com o idioma, tive saudades profundamente inexplicáveis da minha terra, preocupação com meus parentes e também perdi um bebê no Brasil antes de partir assim como vocês perderam Giuseppe na Itália.

Conversando com meu pai, seu neto, ele disse que você contava sobre a neve. Sabe que aqui na Holanda nevou em fevereiro e foi um dos momentos mais lindos da minha vida o meu primeiro contato com a neve bem aqui pertinho da nossa Itália.  Meu pai disse que você contava que para sair de casa era necessário retirar a neve com uma pá para ir fazer compras na venda.

Como deve ter sido tão diferente para vocês, meus bisavós, viver no clima do Brasil. Talvez sentissem falta da neve e até do trabalho que a neve dava, não é? Eu sinto muita falta do calor do Brasil e poder nadar ao ar livre coisa que gosto muito.

Engraçado que pisando na neve, senti algo que preencheu meu coração e agora entendo que era um pedaço de vocês felizes em mim.

Imagino como devia ser não ter notícias da sua família, nem por cartas,  nem por notícias no jornal mesmo sabendo da guerra e o quanto se preocupavam com a família, a nossa família, em Lonigo.

Eu estive lá. Fui até a igreja aonde foram batizados e onde se casaram. Estive lá na praça da frente, vi os vinhedos, dormi na cidade, comi e bebi sentindo os sabores da nossa terra.

Sinto muito por terem saído de lá. Foi graças a isso que nasci no Brasil, mas eu tinha essa vontade de fugir e sair. De buscar algo, pois sentia que lá não era meu lugar.

Agora eu entendo.

Agora sinto e reconheço essa preocupação. Eu vejo vocês! Hoje temos a internet e meios de comunicação incríveis e poderosos. Eu posso falar por vídeo. Sim eu posso ver o neto de vocês que agora é avô da minha filha, sua tataraneta. Ela veio para a Holanda. Ela é sua descendência aqui.

Já posso liberar essa dor e esse sofrimento. Posso nos liberar desse sentimento de não pertencimento. Posso retornar ao meu lar, à minha terra com meu marido e filha para dar continuidade à história da nossa família.

Agradeço por estarem nisso comigo. Agradeço por terem vivido tudo! Eu amo vocês e compreendo a dor de perder um filho,  já que eu também perdi dois bebês pois não consegui trazê-los. Tive muitas dores. Me senti deslocada, fora do lugar, do idioma. Me senti desprestigiada, mal vista, mal olhada, mas agora eu abraço vocês, eu acolho a sua dor, eu acolho a sua decisão de mudar.

Vocês pensaram que era melhor e assim deram continuidade à nossa história. Eu aceito suas dores, elas não são mais minhas. Perdoo as suas escolhas e as pessoas que lhes fizeram mal, perdoo também a falta de sorte e o contexto de mundo em que estiveram. Eu me libero disso! Eu amo vocês! Amo minha filha, sua tataraneta e eu libero ela também.

Nos liberto agora para ir e vir e dar continuidade à nossa história. Vamos ser felizes aqui para honrar vocês. Eu honro vocês, queridos Tommaso e Giustina, amo vocês, meus pais, meus avós, meu marido e filha. Ela está liberta!

Não precisa mais sofrer em outro país e nem eu.

#mod01 #antepassados #imigrante #ressignificar 

Constelações Sistêmicas

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Patty Nezi
Patty Nezi Seguir

Olá! Eu sou a Patty nasci e cresci em São Paulo capital, morei por 11 anos em Brasília e agora vivo na Holanda. Sou casada há 13 anos e tenho uma filha mais velha chamada Victoria, de 10 anos. Também tenho dois anjinhos que moram no céu.

Ler conteúdo completo
Indicados para você