[ editar artigo]

COMO SABER O QUE NÃO SE FALA?

COMO SABER O QUE NÃO SE FALA?

Tenho uma certa dificuldade quando o assunto são as experiências dos meus antepassados.

Não sei se por questões culturais orientais ou por modo de vida, não se comenta muito sobre o passado na minha família.

Tenho um quadro construído em minha cabeça, com alguns relatos da infância do meu pai, mas faltam imagens.

Sempre tive a percepção de que meu pai teve uma primeira infância feliz, brincava na rua com os amigos do bairro, apesar dos meus avós terem que sair para trabalhar e se ausentarem durante o dia, ele sempre teve o acalanto paterno e materno muito forte na figura de meus avós paternos.

Minha mãe por outro lado, a penúltima de 12 filhos, apesar da casa cheia, passa uma impressão de uma infância solitária. Até hoje é muito reservada. Mas sempre sentiu a presença amorosa do pai.

No caso da família da minha mãe os maiores emaranhamentos foram causados pela minha tia e a tia da minha mãe.

Neste caso, tenho uma dúvida: qual a influência que recaí sobre mim e meus descendentes?

Não percebo machismos, em ambos os lados (paterno e materno);houve um profundo esforço para que todos tivessem estudo e pudessem seguir a carreira que escolheram, inclusive o casamento que desejavam, alguns sob protestos, mas somente por um impulso do momento. Cada um casou com quem quis, e estudou o que quis, e seguiu a vida que escolheu.

Percebo que meus avós criaram a família juntos, cada um contribuindo com o que tinham para oferecer, na condição que podiam oferecer. Minhas avós sempre batalharam junto dos meus avós e vejo nesse companheirismo o que melhor posso dar no meu casamento hoje.

Nada é perfeito, lembro dos meus avós paternos discutindo acaloradamente dentro do quarto. Mas nada grave (até engraçado lembrando agora), a gente quando é criança acha que nossos avós não entram em desacordo e que o mundo é lindo. Eu confidenciava para o meu irmão “o ditian e a batian estão brigando?!!” e dávamos risada de tudo aquilo, pois ainda brigavam e em  japonês misturado com português,  e a gente nunca soube os motivos das discussões, mas geralmente era alguma teimosia de uma das partes.

Dos meus bisavós não sei muito.

Uma parte era do Japão e nunca vieram para cá. Dos que eu conheço a história, sei que minha bisavó era matriarca, mesmo tendo casado com um militar muito austero e estudado, no melhor estilo “o Último Samurai”, foi ela que fez com que a família mudasse do interior de São Paulo para a capital para que os filhos e netos pudessem estudar, e a isso eu devo muita honra e gratidão.

Talvez por isso sinto uma enorme obrigação em ser uma boa aluna, daquelas bem caxias mesmo. Hoje percebo que não preciso tanto, a época da escola acabou e não tenho que me provar para mais ninguém.

Nossa acho que constelei aqui (risos).

Constelações Sistêmicas

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Lina Onodera Mukuno
Lina Onodera Mukuno Seguir

Filha, mãe de dois, designer, bacharel em direito, vida na fazenda, apaixonada pela antroposofia, sedenta pelo crescimento de todos os meus corpos, praticante de Access Consciousness, buscando onde posso ser contribuição.

Ler conteúdo completo
Indicados para você