[ editar artigo]

CONCLUSÃO DO MÓDULO III

CONCLUSÃO DO MÓDULO III

Não tive muito acesso à informações sobre a vida dos meus pais antes de se casarem. O pouco que sei é que eram de famílias muito católicas (as mulheres principalmente) e cheios de preconceitos e segredos. Meus pais eram primos em primeiro grau.

O pai da minha mãe era um homem muito severo e reprimia muito os filhos, o que pude perceber na rigidez e medo demostrado pela minha mãe. Das quatro filhas só ela se casou.

Uma era deficiente. Tinha caso de alcoolismo na família dela. 

Minha infância foi relativamente feliz, mesmo com todas dificuldades financeiras dos meus pais. Sou a sexta de dez filhos e quando eu tinha dois anos viemos de Minas para Goiás. Aos oito sofri abuso sexual (um amigo da família), tentei contar para minha irmã, seis anos mais velha, mas ela não "entendeu".

Então nunca mais contei pra ninguém.

Por volta dos meus 12 anos houve um assassinato: o irmão caçula do meu pai. Ele ficou muito abalado e pegava um revólver, e dizia que ia vingar. Queria que meu irmão fosse com ele. Mas não fez nada, somente começava a beber, chorar e ouvir músicas que eles gostavam sentado no chão, prostrado. Com o tempo foi superando. 

Minha mãe sofreu muito para criar todos nós, porque na maior parte do tempo meu pai ficava em outra cidade à serviço, e depois descobriu que ele a traía com outras mulheres. Inclusive uma delas foi na minha casa me contar quando eu tinha 14 anos, para atingir meu pai. Foi horrível este período. O que me alegra é saber que na velhice meus pais ficaram unidos. Houve perdão, amor e resignação, por parte da minha mãe, que faleceu com 88 anos.

Sempre fui um pouco "diferente". Na verdade confesso que sentia um pouco de vergonha de tudo isso. Era a filha que saía, tinha amigos, namorava (com 13 anos). Lia livros espíritas (escondido). Queria muito estudar e trabalhar, mas meu pai achava que mulher tinha que casar .

Casei, a única das três irmãs (a mais velha foi para o convento quando eu tinha 11 anos).  Foi muito difícil, porque hoje percebo, através das aulas de Constelação, que casei com meu corpo de dor. Tivemos três filhas maravilhosas  e divorciamos. E agora estou aprendendo a  honrar o pai das minhas filhas pelo compartilhamento e o presente que me deu. 

Honrar minha história e agradecer meus pais pela vida!

Constelações Sistêmicas

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Ler conteúdo completo
Indicados para você