[ editar artigo]

PAI + MÃE= EU

PAI + MÃE= EU

Meu mestre, meu herói! Meu pai teve histórias de muita luta, de muitas responsabilidades desde cedo, por ter vindo de uma família muito grande: 12 filhos, onde os mais velhos cuidavam dos mais novos.

Papai, por ser um dos mais velhos, revezava com seu irmão os dias de ir na escola e cuidar dos irmãos mais novos, onde conseguiu cursar só o primário.

Tinha que auxiliar em todos os afazeres domésticos e na ajuda para com sua mãe, sendo que esta apresentava muitas dores de cabeça, que a deixavam muito nervosa.  

Mais tarde ele foi morar com seu irmão mais velho, mas sentia muita falta do restante da família. Ao visitar seus pais nos finais de semana, via a criançada brincando e resolveu então voltar ao seu ninho restrito. E com isso retomou suas atividades junto aos seus pais na lavoura. Gostava muito de bailes, faziam muitas artes e se divertia muito ao se reunirem os irmãos.

Sobre mamãe, a minha rainha, não sei quase nada da sua infância, pois a perdi muito cedo. Sei que era muito religiosa, participava da legião de Maria, e usavam tules brancos.

Papai e mamãe se casaram cedo: ela com 19 anos e ele com 26, só tinham suas roupas do corpo e lutaram muito para conseguir suas posses. Papai trabalhava fora de dia e à noite fazia fogueira em sua terra para capinar. Se relacionavam com muito amor. Ele muito firme, queria tudo pra ontem, com muita rigidez, fazendo-nos trabalhar e cuidar de casa desde muito cedo, mas também era muito amoroso.

Ela muito calma, aparentemente sempre tranquila, sempre dependente dele pra tudo, se colocava em submissão. Com muitos problemas cardíacos, e por sugestão do médico da época, que salientou uma nova gravidez, pois talvez ajudaria nessa alteração cardíaca, viemos minha irmã e eu, temporonas.

Nós morávamos no interior do R.S. e posso dizer que tive uma infância de verdade: com amor, carinho, pais presentes, subia em árvores, tomava banho em rio, vida de interior, com uma adolescência muito saudável. Desde muito pequena papai fazia-nos cuidar dos afazeres de casa, agora entendo que ele também passou por isso.

Outra semelhança é gostar de música, dança.

Assim como ela casei-me cedo, mudei de estado e vim para o Paraná. Não ter a família próximo me fez muita falta, com sensação de solitude, talvez hoje mais forte por meus filhos terem casado. Também me coloquei em submissão no casamento, talvez em lealdade a ela.

 Tenho atualmente me questionado sobre a ansiedade, principalmente a Síndrome do Pânico, que tive e ainda trato. Talvez pode ser eles sinônimo de cura, sei lá, pois as doenças, os sintomas, podem representar limpezas do sistema.

Outra compensação que possa ser perante meu Pai não conseguir dar continuidade a seus estudos.

Hoje me percebo sempre em função de estudar, fazer cursos, e nunca é o suficiente, sempre quero mais, será que estou estudando por eles? Porém está tudo certo.

Tenho total reverência aos seus sofrimentos, lutas, dores, e sou muito, muito grata por oportunizar a minha vinda a esse sistema, ao qual tenho muito orgulho de ser pertencente. E a todos os meus ancestrais, eu tiro o meu chapéu.

Amém!

 #MOD3

Constelações Sistêmicas

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Ler conteúdo completo
Indicados para você