[ editar artigo]

O dia mais tenso da minha vida

O dia mais tenso da minha vida

Minha primeira sobrinha, com pouco mais de 26 anos, estava grávida pela primeira vez. Estava de oito meses. Numa manhã de primavera, avisaram-me que ela estava hospitalizada e a situação era crítica.

Levei um susto, mas ainda pude raciocinar e lembrar que a minha irmã, deveria estar muito nervosa com a situação da filha. Por isso, chamei a minha companheira de comunidade, a Ir. Maria Cordeiro e corremos para a casa da minha irmã. Deixei a Maria Cordeiro fazendo companhia e dando uma força para minha mana, que chorava angustiada com a situação e, voei para o hospital.

Não sei se os sinais de trânsitos eram verdes ou vermelhos, mas não parei em nenhum deles. Cheguei a tempo de ouvir uns retalhos de conversas, que confesso que não me lembro se a conversa era comigo ou se eu ouvia a conversa entre os profissionais da saúde que nem sabiam que eu estava ali. Se elas existiram mesmo ou se fora fruto da minha imaginação.  Mas o meu cérebro registrou esses sentimentos.

Ouvi que a mãezinha teve uma grave elevação da pressão arterial, e isso havia gerado algumas complicações, e que não estavam conseguindo controlar a pressão. Nesse estado, fazer uma cirurgia para retirada da criança seria muito arriscado para a vida dela. Mas se não fizessem, o pequeno é que corria risco de vida.

Tenho a impressão de ter ouvido alguém dizer que era preciso fazer uma escolha, e não sei se eu falei, se eu pensei, se sonhei ou se era um pesadelo, só sei que eu ouvia a minha voz dizendo: - Não tem escolha nenhuma, eu quero os dois vivos. Deus é maior que tudo.  Mas poderia haver sequelas graves... E eu ouvindo a minha voz novamente, dizia: Não importa, na nossa família tem crianças, brancas, negras, amarelas, alta, baixas, gordas, magras, bonitas, ou não bonitas, doentes, sadias, sei lá...de tudo quanto é tipo, se tivermos um “retardadinho” não vai ser problema nenhum... (credo que feio, esse termo não é gentil, nem politicamente correto, perdão, eu estava muito tensa).

Não sei quanto tempo demorou essa tensão. Eu rezava como nunca havia rezado em toda a minha vida, implorava a Maria Mãe de Jesus, com todos os títulos que eu conhecia, até que alguém apareceu para dizer que estava tudo bem.  Chorei de alegria. Mas de novo, não me lembro, não sei se pude ver o bebezinho, naquela hora, ou se voltei para casa para dar a notícia aos demais familiares. Mas sei que quando saiu da maternidade, dias depois, eu fui buscá-los. Ela estava ainda muito inchada, sentindo as dores de uma cesariana, mas ele era lindo, calmo, e “perfeito”, o que significa sem nenhuma sequela daquela luta para viver.

E hoje, fazem vinte e um anos que vivemos tudo isso. Ela ainda teve a coragem de trazer ao mundo mais três. Ele é lindo, inteligente, artista maravilhoso, toca violão, violino, teclado, Cajon e, tenho a impressão que qualquer outro instrumento que cair na sua mão ele fará sair um som lindo como o sol da primavera do dia em que nasceu. Está cursando enfermagem, enquanto espera a oportunidade para fazer medicina.

Meu Deus, gratidão por essa vida, na minha vida.

Aos outros sobrinhos- netos, que vão reclamar que eu nunca escrevi um textão no aniversário deles, é que vocês chegaram lindos e saudáveis, e não nos deram tamanho susto. Com o tempo vocês vão entender o que o medo de perder é capaz de fazer.

Louvado seja Deus por cada criança que vem ao mundo. Que todas elas possam 21 anos depois serem lembradas como vitoriosas porque viveram.

Parabéns Roberto Felipe de Almeida Chaves, você venceu naquele dia e vai vencer sempre, se Deus quiser... Deus pode tudo.

 

 

Terapias Sensoriais

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Neiva Maria de Mattos
Neiva Maria de Mattos Seguir

sou Consagrada no Instituto de Jesus Adolescente, sou Feliz como Irmã, professora e Diretora, sou educadora, sou contente, sou cristã, sou alegre , sou Terapeuta Sistêmica By Olinda Guedes, (Constelações, Massagens, Oficina de emagrecimento).

Ler conteúdo completo
Indicados para você