[ editar artigo]

A Culpa

A Culpa

Há pouco tempo trabalhei com uma mulher que, diante da clássica pergunta "Qual é o problema?", disse: "Culpa".

Ela começou a me explicar as coisas, e eu a interrompi: "Não, não quero suas explicações, quero saber qual é sua culpa".

E ela disse: "Fiz um aborto de gêmeos e, além disso, descobri que minha filha mais velha não é na verdade de meu marido".

Em um caso assim, muitos terapeutas tratariam de mitigar a culpa, de dar consolo. Diriam: "Não é para tanto, tudo tem sua justificativa". Mas isso não adianta, porque a pessoa sente contato com uma culpa muito real e muito profunda, o que em si mesmo já é um passo.

Com frequência reprimimos a culpa no plano consciente, mas a expiação se desenrola inconscientemente, por exemplo, por meio do corpo e da doença.

Quando fazemos algum mal, o que nos ajuda é sentir e assumir a culpa e reparar o que for possível, se for possível.

"O que está feito, está feito", costuma-se dizer, e é verdade: temos que abrigar em nosso peito os sentimentos e as consequências do que fizemos, em vez de esconder a cabeça debaixo da areia.

Aquela mulher conseguiu, pouco a pouco, ir olhando sua culpa e aceitando-a.

E dizer: "Sim, concordo, levo-a comigo e assumo".

E olhar para as crianças abortadas e dizer: "Eu as sacrifiquei porque quis, em meu benefício, lhes agradeço e reconheço e lhes dou um lugar em meu coração".

São frases muito fortes, eu sei, mas a realidade é que fazemos a maioria das coisas porque escolhemos fazer, embora não faltem argumentos que as apoiem; mas, ao mesmo tempo, temos de enfrentar o fato de que fizemos uma escolha. 

Aquela mulher por fim pôde assumir a sua culpa com muita dor e superá-la, e isso lhe fez bem, pois as culpas que não assumimos nos enfraquecem e nos afastam de nosso centro.

No entanto, pouco a pouco começou a predominar nela um sentimento de amor pelos filhos abortadas e por ela mesma.

Quem estiver livre de culpa que atire a primeira pedra.

Joan Garriga Bacardi - O Amor que nos faz bem

#expiacaodaculpa
#responsabilidade
#liberdade
#abortos
#traumas
#destino
#lutos

Débora Carvalho

Pedagoga, Psicopedagoga, Terapeuta, Mestre em Reiki, TetaHealing, Consteladora Familiar.

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Débora Carvalho
Débora Carvalho Seguir

Abrace a sua vulnerabilidade e faça dela a sua maior força. É bonito demais sentir.

Ler conteúdo completo
Indicados para você