[ editar artigo]

A mãe do pai

A mãe do pai

"A mãe da mãe tem as portas abertas.

Liberdade, intimidade, jeitinho.

É coadjuvante da novidade, doadora silenciosa do amor.

Cúmplice de uma nova mãe que merece e precisa da sua presença.

Mas e a mãe do pai?

Quão difícil é ser mãe do pai.

Achar a brecha, encontrar o lugar, se chegar.

A mãe do pai não tem que ajudar nas posições das mamadas, não tem que fazer compressas pré amamentação.

Para isso já existe a mãe da mãe.

É ela quem o coração de filha pede.

E assim, a mãe do pai fica ali, observando de perto mas de longe.

A mãe do pai não tem desculpas para visitas demasiadamente prolongadas.

Precisa ir na coragem, na boa cara de pau, na fé.

A mãe do pai não pode ligar 3x ao dia para saber como está o toquinho de gente que fez seu coração explodir mais uma vez.

Ser mãe do pai é presenciar o filho se descobrir na paternidade, e ao mesmo tempo ter relances do garotinho que ontem segurava sua mão, e agora segura um bebê.

Ser mãe do pai é querer beijar, abraçar, palpitar na vida de um bebê que é tão seu, mas nem tanto.

É o amor incondicional que não pode chegar arrombando, precisa ser manso, bater na porta.

Ser mãe do pai é ter que aprender a respeitar a ordem do tempo e principalmente das coisas.

É o amor resiliente, humilde, paciente.

Tenho a impressão que ser mãe do pai é o mais paciente dos amores.

É a união do amor com a espera.

Espera pelo momento, pela sua hora.

É falar, já que às vezes o amor fala demais, e se arrepender.

A verdade, que não se pode negar, é que a mesma frase dita pela mãe da mãe, é recebida de forma diferente quando dita pela mãe do pai.

Ser mãe do pai é enxergar em outra mulher não somente a esposa do filho, mas a guardiã e mãe do novo ser que é tão importante na sua vida.

Ser mãe do pai é um papel tão complexo que assusta.

E me traz uma ponta de tristeza, pois um dia será a minha vez.

E uma ponta de vergonha, já que lembro da minha sogra e da sua jornada como mãe de pai.

Pensando assim meu coração me pede mais paciência, compreensão, tolerância. Me pede para lembrar que quando o assunto é amor para os meus filhos, seja da mãe da mãe, ou da mãe do pai, nunca é demais.”

Autora: @a.maternidade - Rafaela Carvalho

Fonte: Revista crescer.

 

Débora Carvalho

Pedagoga, Psicopedagoga, Terapeuta, Mestre em Reiki, ThetaHealer, Consteladora Familiar.

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Débora Carvalho
Débora Carvalho Seguir

Abrace a sua vulnerabilidade e faça dela a sua maior força. É bonito demais sentir.

Ler conteúdo completo
Indicados para você