[ editar artigo]

Meditação para a criança ferida

Meditação para a criança ferida

Fechem os olhos e retornem à época onde causavam preocupações para seus pais ou adoeciam. Olhem com amor para esta criança e deixem-se guiar por ela. Para onde esta criança olha? Para aquele no qual a família não está olhando. Dizemos à esta pessoa: “Olho para você com amor. Para mim você faz parte”.

Então, talvez, olhamos para os nossos pais e dizemos a eles: “Estou olhando para alguém que amo. Por favor, olhem também comigo para lá”.

E quem tiver filhos, talvez uma criança difícil, uma criança que os preocupa, que está doente, que tem acidentes. Olhem para o mesmo lugar que está criança está olhando – com amor.

Talvez a criança esteja olhando para uma criança abortada ou para alguém que vocês rejeitam; para alguém que talvez tenha sido, em uma geração passada, vítima de um crime realizado por alguém da família, talvez crimes cometidos na guerra e a criança olha para isso. Ou então olha para alguém que a família rejeita, por se envergonhar. A criança olha para ele com amor, pois os outros se envergonham dele. Mas mesmo assim ele faz parte, assim como todos os outros.

Agora olhamos para esta pessoa com amor, através do amor do espírito, que tomou todos a seu serviço, assim como são, sem distinção, pois os seus objetivos são mais amplos do que imaginamos. Vemos o efeito e o sentimos em nós. E sentimos como a criança talvez possa se acalmar, como se sente melhor.

HELLINGER, Bert. As Ordens do Amor. São Paulo: Cultrix, 2001

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Débora Carvalho
Débora Carvalho Seguir

Abrace a sua vulnerabilidade e faça dela a sua maior força. É bonito demais sentir.

Ler conteúdo completo
Indicados para você