[ editar artigo]

Módulo 5 - A Escola e a Profissão

Módulo 5 - A Escola e a Profissão

"A ESPERANÇA NASCE EM CASA, PASSA PELA ESCOLA E SE EXPRESSA NO MUNDO DE TRABALHO".

Cresci dentro de um lar disfuncional, onde a orfandade de "pai" foi a premissa constante. Pai ausente, machista, violento, isso tudo associado a uma grande carência material.

Com cinco anos comecei a trabalhar de "pagem" por um prato de comida. Eu era uma criança franzina, frágil, magra e tinha que carregar no colo uma criança que era o dobro de mim.

Meu corpo doía, reclamava, mas a fome gritava e eu me esforçava o máximo. A criança me adorava. As vezes tinha que ficar com ela até as vinte e uma horas, quando ela adormecia. Chegava em casa cansada, um cansaço que humilhava a alma mais que o corpo. Esta situação foi até os meus oito anos, quando entrei para o grupo escolar. Um ano atrasada devido a uma cirurgia de amígdalas.

No grupo sentia uma grande insegurança, um completo desamparo e um medo de não aprender, de repetir o ano, o que nunca aconteceu, mas foi uma ameaça silenciosa constante.

Entrei no Ginasial e na oitava série comecei a trabalhar de secretária de um advogado recém formado, por meio horário, mas quase não havia remuneração.

Fiz o curso de datilografia, muito importante na época. Fui dispensada e me tornei manicure/pedicure. Fiz concurso para secretaria da escola PREMEM, um convênio com o governo americano, passei e trabalhei por cinco anos, até quando este convênio terminou e fomos encampados pelo Estado.

Comecei a fazer faculdade, concursei no Estado , sendo aprovada duas vezes em primeiro lugar, o que me gabaritava competência. Lecionei durante trinta e oito anos. Nunca senti minha alma plena, transbordando. Fui dedicada, empenhada, mas por dentro um vazio que não se completava

"A ESPERANÇA NASCE EM CASA....", mas quando ela  adoece e se perde, dói. Não adianta dizer não sofra, não chore, porque essa perda nos paralisa.

Apesar das minhas fragilidades avanço. Meu coração se transforma a cada descoberta. Olhar e entender a orfandade disfuncional, me sobressaltei, me assustei até, mas me entendi e agora preciso me  curar e reinventar, a vida exige.

 A vulnerabilidade  e abandono de uma criança a acompanha sempre. Sei que é preciso tempo para que ela se  fortaleça, se complete e transborde. Cada perda tem uma hora de acabar, chegou minha hora, mesmo que tarde, através deste curso.

GRATIDÃO, OLINDA GUEDES.

 

Se puder, clique e leia:

" Há três tipos de orfandade.

- Órfãos de pais mortos: filhos abusados, vivendo de migalhas.

- Órfãos de pais vivos: filhos carentes, revoltados.

- Órfãos de pais ausentes: filhos com atitudes inconsequentes."

Olinda Guedes

https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=10212321490111840&id=1816873558

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Ler conteúdo completo
Indicados para você