[ editar artigo]

QUANDO A VIDA NÃO VAI PARA A FRENTE, OLHE PARA TRAZ

QUANDO A VIDA NÃO VAI PARA A FRENTE,  OLHE PARA TRAZ

Essa constelação que tive a honra de conduzir em 16/07/21, em que F. (vou chamar assim a pessoa conduzida para preservar sua identidade) teve seu olhar voltado para o que realmente aguardava inclusão e acolhimento, foi de grande aprendizado para mim e muita cura para minha vida e para meu sistema.

Ao final, muitos representantes e colegas da plateia também disseram que sentiram o mesmo que eu.

F. disse que queria colocar como tema sua falta de foco na área profissional, em tudo e que desejava a estabilidade financeira, como resultado de seu trabalho.

Enquanto os representantes eram escolhidos por F., eu ia recordando a semana que tivemos e os sintomas que vieram me visitar: dores de cabeça do lado direito da caixa craniana, atrás da orelha, minha perna e joelho direitos que doeram muito mais do que de costume. Meu estômago também reclamou e senti muita tontura, inclusive quando começou a constelação.

Eu estive apreensiva a semana toda que antecedeu a constelação e, devido as meditações e exercícios de respiração que fiz, sabia que era do Campo. Conforme F. ia trazendo as informações, os sintomas iam se agravando, como que gritando em mim. Minha perna direita parecia tremer, nervosamente na sexta-feira, horas antes do início da Constelação e eu senti frio, mesmo com os dias mais quentinhos ultimamente.

F. também não passou muito bem no dia que antecedeu a sua Constelação. Claro que havia tomado a vacinado contra a COVID, mas nós sabemos que, sistemicamente, o Campo estava informando, através da sua febre, da sua indisposição.

Senti forte o conflito do sistema de F. e o seu pessoal. Eu tive vontade de dizer à equipe que não poderia conduzir, tamanha falta de ânimo e ansiedade, temor do que aconteceria, que se apossou de mim, principalmente nas 4 hs que antecederam o início da Constelação. Exercitei respiração, meditei, orei, pedi oração e fui me acalmando. Mantive o compromisso e foi a melhor coisa que fiz.

Ao iniciar, já não sentia tal apreensão e estava bem centrada e disposta.

Durante a Constelação, vários representantes expressaram os mesmos sintomas que tive e imagens fortes se apresentaram. Figuras paternas diversas precisaram se mostrar, assim como os órfãos, uma mãe sem energia inicialmente, a estabilidade paralisada, a ponto de incomodar profundamente quem se responsabilizou pelos registros oficiais e tinha que anotar freneticamente, bem como a representante que primeiramente foi a opressão e, a seguir, os filhos não reconhecidos. Ambas com as pernas direitas inquietas.

Meu estômago revirava. Vi cenas horríveis de muitas, muitas crianças maltrapilhas, sujas, descalças, trabalhando pesado, sem adultos por perto. Uma representante também percebeu essa energia.

A representante da bisavó trouxe as informações de captura, aprisionamento, tortura e muita dor de mães que não podiam, ficavam impotentes diante dos sofrimentos dos filhos. Abandono, choro e fome é o que eu via.

Quando os excluídos tiveram a atenção, o Campo iniciou a transmutação e, com muita emoção, ouvimos a permissão da mãe e da esposa para F. ser e fazer o que é sua essência e já havia sido trazido com muita sensibilidade pela amada Susy, serviço imprescindível de registro oficial em cartório, de reconhecimento, de todos do sistema, porque, de geração em geração, o paterno vem trazendo o oficio de cartorário na família de F. e ele , mesmo que exerça por um tempo outras funções, retorna sempre para o trabalho de cartório e a Susy verbalizou que não é necessário deixar nem uma nem outra função e que integrar é possível e muito promissor.

A estabilidade pôde chegar e com a explicação clara de Sizumi de que a estabilidade não é sempre linear, as vezes se apresenta em níveis diversos, o envolvimento da plateia que sentia o mesmo corpo de dor de F., foi deixando F. mais e mais emotivo, e se observava claramente em suas feições, a constelação, a cura, acontecendo, o que ele verbalizou, confirmando.

Em mim tudo foi sendo reequilibrado e quando a mãe falou que ouvia uma festa e que parecia a ela que essa festa acontecia em uma senzala, observei que o sentimento de opressão e aprisionamento que me veio dias antes da Constelação e que se fez presente também durante, já não mais era necessário e que tudo e todos estavam incluídos e libertos.

Quem estava responsável pelos registros oficiais se acalmou, desenhou cenas que sentiu, inclusive de uma festa onde crianças brincavam, ticou como tarefas concluídas todos os itens que havia anotado, rubricou e comunicou à F o assentamento que, como a carta de alforria que nossa amada Susy lembrou, reconhecia o pertencimento e a importância de cada elemento desse sistema tão valoroso, do qual tive a honra de participar durante essa semana de intensa cura e aprendizado.

A permissão da mãe para que F fôsse conduzido pelo pai para ir para o mundo, foi o laço que selou a conclusão dessa belíssima constelação, juntamente com a abertura de novas possibilidades e caminhos, onde F pode agregar, integrar tudo o que conhece e todo o seu potencial para fazer o que decidir fazer de sua vida, pois não lhe falta foco como pensava inicialmente.

 O que se viu é que ele estava muito assoberbado com o trabalho de buscar pelos que faltavam, pelos excluídos do sistema. Agora sua missão para com o sistema está concluído e ele pode seguir com leveza, sem esforço mais, saboreando cada minuto de seu trabalho, de sua profissão ou profissões integradas, se deliciando do resultado financeiro que virá para o seu bem estar, de sua família e de todos seus antepassados que, de agora em diante, nele serão prósperos, felizes e saudáveis.

Gratidão a F e ao seu sistema pela confiança e pela honra. Gratidão a todos os colegas que ali estavam, representantes e plateia, meus amados colegas que participaram ativa e significativamente desse lindo processo.

Gratidão amadas Mestras Olinda, Susy e Sizumi!

Gratidão Escola Real!

Amo estar à serviço de algo tão sagrado!

Deus É Maravilhoso mesmo.

Gratidão Senhor!

O amor sempre traz de volta e refaz os vínculos interrompidos, resultando em cicatrizes que são quase sempre invisíveis, servindo apenas de lembrança do grande processo de transmutação e evolução.

 

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Márcia Regina Valderamos
Márcia Regina Valderamos Seguir

Sou psicoterapeuta sistêmica, discípula de Olinda Guedes, psicóloga de formação, e, c a Mestra Olinda Guedes, fiz e faço Renascimento, Formação em Constelações Sistêmicas, Master, Florais de Bach, massagem reparentalizadora..

Ler conteúdo completo
Indicados para você