[ editar artigo]

Quem é você? Prazer, sou professora.

Quem é você? Prazer, sou professora.

Responder à pergunta “quem é você?” parece relativamente simples quando informamos o nosso nome, a marca mais expressiva de nossa identidade. Entretanto, socialmente, somos mais que isso. O que quero dizer é que sob o nosso nome, há a identidade de filho, pai, mãe, primo, tia, sobrinha..., de estudante, professor, médico, terapeuta... enfim, a identidade é fragmentada e é definida sob a perspectiva de quem somos a partir do outro...

Ocorre que, especificamente, sempre que converso, pela primeira vez, com algum professor, é comum que depois do nome, me informe seu ofício. É como se a pessoa e o ofício fossem duas faces de uma mesma moeda e que ambas precisam ser mencionadas. Aliás, numa rápida visita, ao facebook, na data de hoje, tenho visto vários dos meus colegas manifestarem, em suas fotos de perfil, o seu contentamento com a profissão a partir de frases como “orgulho de ser professor”. Pode até parecer uma contradição para aqueles que sabem que a vida do professor, no Brasil, “não é um mar de rosas”...

Da minha parte devo confessar que, por inúmeras vezes, desejei trocar de profissão. Houve uma noite, no ano de 2010, em que peguei um papel e me pus a listar tudo o que o meu talento me permitia fazer para, definitivamente, mudar de ofício. Foi um momento doloroso, uma verdadeira “noite escura da alma” e creio que tenha se aproximado do sentimento que invade um casal que trava o último diálogo antes do divórcio. Como último recurso, antes de uma decisão salomônica, desafiei-me a responder a uma pergunta: “você é infeliz?”

Foi nesse momento que compreendi que há uma diferença entre sofrer e ser infeliz. Sofrer não é a mesma coisa que ser infeliz. Quem diz que nunca sofreu por nada não percebeu que nasceu ou desconhece que a compaixão somente existe porque temos a capacidade de sofrer: quem nunca sofreu pela morte de um ente querido, pelas perdas de vidas inocentes e por uma decepção? Assim como um médico que não consegue salvar a vida de um paciente, assim como um administrador que vê o esforço de anos indo pelo ralo após a falência da empresa, assim como um bombeiro que chora ao ver o desespero no rosto de quem perde uma casa consumida pelo fogo, também eu, professora, já sofri durante a realização de meu ofício. Já chorei pela desvalorização profissional, já chorei – incontáveis vezes – com e por alunos diante da minha impossibilidade de ajudá-los. A sala de aula, sobretudo da escola pública, nos põe em contato com situações e histórias dolorosas a partir das quais a compaixão é continuamente exercitada...

Naquela noite de 2010 também compreendi que nós, professores, precisamos ser otimistas. Ser pessimista é, absolutamente, muito fácil. Um pessimista não precisa fazer nada. A derrota já é o limite, depois disso não há mais nada a ser feito. O otimista, por outro lado, precisa ter pró-atividade, esperança, ações, planos, metas... o otimista trabalha, dedica-se, tem esperança. A infelicidade pertence ao pessimista. O otimista não é infeliz, apenas sofre quando as coisas não saem como gostaria. Porém, não desiste porque sabe que a sua atuação é importante para que algo mude... daí que de novo ele está lá, “depois da tempestade toda”, revigorado, começando tudo de novo, com esperança e sonhos...

Ontem, uma professora minha, extremamente competente, da área da gramática, relatava sobre a importância de não desistirmos em compartilhar conhecimentos importantes, mesmo quando a turma toda acha inútil. Ela disse, de uma forma muito mais explicativa do que o faço agora, “que o conhecimento não é cartesiano, mas que fica lá, no cérebro e que em algum momento é acionado e passa a fazer sentido para o aluno. E que os alunos não compreendem tudo ao mesmo tempo e que nem todos compreendem e que, talvez, haja quem nunca vá compreender a razão desse conhecimento... e que, talvez, a compreensão ocorra a ‘uma meia dúzia’, mas que o conhecimento é isso mesmo, é de idas e vindas e assim as pessoas vão se constituindo e o conhecimento vai fazendo sentido, mas que todos precisam ser oportunizados...”

Eu concordo com ela, pensar assim é um alívio. É um alívio pensar também que a vida nos dá inúmeros mestres tanto dentre os que carregam a docência como ofício, quanto dentre os que não atuam, profissionalmente, como docentes... já aprendi muito com inúmeros mestres que sequer são professores... Penso que todo contato é uma oportunidade para a aprendizagem. Para finalizar, quero registrar a minha gratidão a todos os professores que se dedicam ao ofício e que ali depositam o seu amor e com quem eu posso caminhar lado a lado nessa jornada. É com vocês que me energizo todos os dias. A vocês, todo o meu respeito!

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Denize Terezinha Teis
Denize Terezinha Teis Seguir

Mamãe, professora, escritora. Grata pela vida, pelos meus pais, pelas minhas irmãs, pela minha família, pelos meus professores, pelo meu trabalho e por tudo o que ele me trouxe. Grata aos meus amigos e amigas, os irmãos que coração que Deus me deu!

Ler conteúdo completo
Indicados para você