[ editar artigo]

AULAS MASTER – EXERCÍCIOS SISTÊMICO O QUE FICOU PARA MIM DESSAS AULAS.

AULAS MASTER – EXERCÍCIOS SISTÊMICO
O QUE FICOU PARA MIM DESSAS AULAS.

Durante todas essas aulas senti mais forte ainda a necessidade do estado de presença, de estar a serviço, no aqui e agora.

O silêncio é ouro e a palavra é prata.

Devo ouvir mais e falar menos.

Não me apressar em aconselhar, fazer, ser, o cliente é o protagonista.

Só sou a ajudante no seu processo. Preciso ser simples, com a orelha bem grande e disposta a ouvir e olhos atentos para ver e sentir além do aparente.

Devo responder depois e ponderar, avaliar, dar um tempo para digerir e a pessoa perceber que foi ouvida com respeito e atenção.

Minha obrigação é oferecer ao meu cliente com amor uma relação de escuta.

Devo ser ponte para meu cliente entre o seu problema, seu tema e a solução que almeja alcançar.

Devo me munir de canções, poesias, possibilidades de tocar seu coração a partir do meu coração, de tê-lo recebido e dado lugar a ele e a seu sistema em mim.

Preciso estar um adulto funcional. Tratar meus conflitos, minhas feridas, minha criança interior.

Como quem se importa serve e só serve quem se importa, é importante que eu, como terapeuta sistêmica, com muito respeito pelo outro e por seu sistema como um todo, persevere e insista para que cada vez mais e mais pessoas tenham a oportunidade de obter os conhecimentos do saber sistêmico.

Posso me utilizar de mídias sociais, fazendo lives, divulgando as teorias dos mestres Bert Hellinger, Olinda Guedes, Jakob Robert Schneider e outros.

O terapeuta sistêmico precisa divulgar, espalhar o seu trabalho, utilizando-se de redes sociais onde sejam divulgados conteúdos-raiz, conteúdos que possuam consistência e ensinem, como o nosso site saber sistêmico, por exemplo.

Podem ser também escritos artigos, texto, esclarecendo para que serve a terapia.

Divulgar que a terapia existe e que é para todos aqueles que não querem mais continuar a serem normais.

Terapia é para quem quer realmente ser incrível, fantástico, feliz, próspero.

Devo ter atitudes sistêmicas já no agendar a consulta com meu cliente e ter no meu consultório, no presencial ou no atendimento on line, estímulos que o remeta a abordagem sistêmica, que já iniciem no auxilio de sua condução para soluções de seu sofrimento.

Quanto mais cara de casa de avó meu consultório, o local que recebo meu cliente mesmo que seja online  tiver, melhor.

Preciso ser um reservatório melhor a cada dia de comunicação e interação com todos, principalmente com meu cliente.

Ser terapeuta sistêmico é ser um cuidador.

Em todos os sentidos.

Antes de dizer para alguém que ele tem que fazer terapia, devo cuidar dele com zelo e carinho, acolhe-lo, tratar com cuidados de mãe amorosa, porque o amor abre caminhos incríveis para a ciência agir.

Mesmo que tenha que fazer tratamentos psicoterapêuticos, alopáticos e outros aquela pessoa que é tratada amorosamente tem maior probabilidade de cura plena, rápida e eficaz.

Ao atender uma pessoa, ao falar com alguém, preciso cuidar das palavras.

Que elas sejam para libertar, não para aprisionar, para retraumatizar aquele ser que busca minha ajuda.

Posso utilizar do método ensinado na análise transacional de escrever cartas com expressões metafóricas, com poesias, com simbologia, usando filosofia, para aquele que tem um sofrimento maior, para tocar seu coração e possibilitar o caminho da cura.

Esse método é chamado de carinhos quentes.

Tenho obrigação de construir o momento oportuno para falar ao meu cliente o que ele precisa ouvir, e da forma como ele assimilará melhor o que eu dizer, em seu benefício sempre.

Porretada não é potência,  lembra nossa amada mestra  Olinda Guedes.

Devo escutar a pessoa sem julgamento, dando um lugar no meu coração.

Isso é o que tenho que fazer para ajudar verdadeiramente.

A Fala organiza o pensamento diz  Lev Vygotsky.

Devo dar colo para o ser que sofre pela palavra.

A verdade sem amor, sem empatia, sem rapport destrói o indivíduo ao invés de ajudar.

Não posso criar barreiras, resistências com a minha fala.

Toda terapia sistêmica bem-feita é composta de exercício sistêmico sobre exercício sistêmico.

Toda intervenção é um exercício sistêmico.

O terapeuta tem que ser célere, mas ao mesmo tempo ter paciência, tolerância, deixar o cliente e tudo correr dentro do tempo necessário.

Tudo tem seu tempo.

Afinal, o cliente já vem pressionado por uma pressa interna.

Não posso criar mais expectativas o que resultará em resistência por parte de quem precisa da minha ajuda.

Prestar atenção no campo.

Ele vai direcionando por onde devo ir.

Ficar sempre em estado de presença, de reverência.

Ser humilde diante do cliente e do seu sistema.

Acolher todos no meu coração, sem julgamento.

Aquilo que combinei com meu cliente tenho que entregar.

Por isso, devo deixar bem claro o que ele quer, se eu posso oferecer e de que maneira.

Ser quem nós somos, honestamente, é o nosso maior recurso.

Ser um adulto funcional no meu dia a dia me revelará assim ao meu cliente, o qual se sentirá seguro e confiante comigo.

Todas as doenças falam de pertencimento.

O que ou quem falta e onde ou em quem?

Pertencemos, não só como humanidade, mas enquanto amparo divino.

Como ajudar o cliente após a constelação?

Quando você tiver algum sofrimento vá para a mãe, dizia Marianne Frank. Imaginar que estamos no colo da mãe.

Sempre ver além do aparente.

Acompanhar o cliente após a constelação.

Recomendar repouso, banhos mornos demorados, massagem reparentalizadora, chás, afagos, carinho, quietude e estar sempre à disposição dele em qualquer tempo.

Não é sempre que uma só constelação basta.

Acontecem milagres, mas, geralmente, são necessárias pelo menos umas três ou quatro constelações, ou mais para que o sofrimento seja compreendido, acolhido e ressignificado, a caminho da cura.

Cura é jornada, é processo.

Lembrar sempre disso e lembrar o cliente disso.

Constelação é uma espiral com vários vórtices, um repolho que vai sendo descascado. Nunca acaba a espiral e o repolho pode ser sempre um outro repolho que se formou. Saber do dia a dia, do contexto em que meu cliente vive é preponderante e acompanhar esse cotidiano sempre é fundamental.

Levar também em grande consideração  o que ele come, como dorme, como vive, com quem convive, o que faz no trabalho, no lazer, nos estudos, se tem sentido e se lhe é satisfatória sua maneira de viver.

Devo levar meu cliente a revisitar também o que já conheceu e orientá-lo a enxergar com outros olhos o que já viu.

Lembrar que não é sempre que é um problema traumático pessoal ou transgeracional. As vezes pode ser a voz da professora que lhe dá aula que lhe causa desconforto, por exemplo.

As luzes da sala de aula ou a falta delas, falta de ventilação, etc.

Fatos concretos e que realmente estão ocorrendo.

Preciso estar atenta a isso.

O grande diferencial das constelações épicas é olhamos sempre para a solução e não desistimos até encontrá-la junto com o cliente.

Colocamos em movimento e prosseguimos até a solução, não importa quantas constelações, quantas intervenções sensoriais sejam necessárias.

Como terapeuta sistêmica só posso levar meu cliente até onde já fui, por isso preciso curar as minhas memórias de reatividade que estejam nos meus campos de dor, de expressão.

Os clientes geralmente vêm com esse corpo de dor de não conseguir se expressar e eu só conseguirei ajudá-lo se já curei o meu.   Devo adaptar as técnicas para auxiliar meu cliente e não forçá-lo a entrar nas técnicas que conheço, mesmo que acredite que só conseguiremos solução por ali. Tem sempre outras maneiras adequadas para cada cliente.

Quando o cliente está no seu corpo de dor ele está infantilizado, como uma criança que espera que adultos façam por ele, quer de graça toda atenção. É importante que eu o ajude a sair dessa posição de vitima e se tornar o protagonista de sua vida.

Ele precisa trabalhar juntamente comigo pela sua cura durante o processo terapêutico. Sempre ensinar, divulgar, dissipar o mito de que colocamos um tema uma única vez e já obtemos a cura. Devemos constelar quantas vezes for necessário.

Constelações Sistêmicas

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Márcia Regina Valderamos
Márcia Regina Valderamos Seguir

Sou psicoterapeuta sistêmica, discípula de Olinda Guedes, psicóloga de formação, e, c a Mestra Olinda Guedes, fiz e faço Renascimento, Formação em Constelações Sistêmicas, Master, Florais de Bach, massagem reparentalizadora..

Ler conteúdo completo
Indicados para você