[ editar artigo]

Ampliando e construindo horizontes

Ampliando e construindo horizontes

 

Agora que já conhecemos o esforço da Psicologia Positiva em definir e medir a felicidade, vamos discorrer de forma mais pausada sobre cada um dos seus 5 componentes, iniciando pelo “P” do acrônimo PERMA: emoções positivas (positive emotions).

EMOÇÕES POSITIVAS

Embora emoções positivas constituam o componente mais intuitivamente associado à felicidade, muito pouco se sabia, antes do advento da Psicologia Positiva, sobre a sua mecânica. Inúmeros estudos foram publicados nos últimos anos, notadamente por Myers, Diener e Barbara Fredrickson, tentando responder exatamente a esta pergunta: “como emoções positivas contribuem para a felicidade?

A Teoria do “Broaden & Build”, ou da percepção ampliada e construtiva, publicada em 1998 por Fredrickson, identifica e diferencia os padrões comportamentais de indivíduos e grupos quando da experiência de emoções negativas e positivas, servindo como um dos principais pilares para compreensão deste componente da felicidade.

A Teoria do “Broaden & Build”, ou da percepção ampliada e construtiva, publicada em 1998 por Fredrickson, identifica e diferencia os padrões comportamentais de indivíduos e grupos quando da experiência de emoções negativas e positivas, servindo como um dos principais pilares para compreensão deste componente da felicidade.

REALIDADE OU PERCEPÇÃO…

Susan Scott, master coach e CEO da Fierce Inc., ensina em seu best-seller “Fierce Conversations”, que tudo que apreendemos através de nossos sentidos e das nossas experiências passa por um poderoso filtro, denominado contexto. O contexto de cada um de nós é formado por nossas opiniões, atitudes, crenças e verdades, e condiciona invariavelmente a forma como percebemos o mundo a nossa volta. A realidade seria como uma bola de neve: quando a tocamos para conhece-la imprimimos nela nossa marca e impressões digitais e, portanto, o que apreendemos é sempre diferente do objeto real de observação.

Ao lado do contexto, as emoções desempenham um papel fundamental sobre a forma como apreendemos a realidade e, consequentemente, sobre como vivemos cada momento e nossas vidas. Fredrickson demonstrou em seus estudos que quando sentimos emoções negativas tendemos a diminuir nosso repertório momentâneo de pensamento-ação. Quando sentimos medo, por exemplo, tendemos a concentrar nossa atenção em nos livrarmos da ameaça. Em outras palavras, a emoção medo é transformada em pensamentos de fuga e tende a iniciar uma ação nesse mesmo sentido. Essa reação geralmente acontece antes de uma decisão consciente e guarda traços evolutivos com o próprio instinto de sobrevivência (reação ataque ou fuga).

Por outro lado, a experiência de emoções positivas amplia nosso repertório momentâneo de pensamento-ação, permitindo a visão mais completa da realidade e das opções disponíveis. Consequentemente, as portas da criatividade se abrem para a construção de novos caminhos.

AMPLIANDO E CONSTRUINDO

Pela teoria da percepção ampliada e construtiva, Fredrickson afirma que as emoções positivas ativam a criatividade humana, tornando-nos mais flexíveis e capazes de “pensar fora da caixa” e, com isso, criar soluções inusitadas para as mais diversas situações. Ela associa boa parte da natureza inventiva humana à essa teoria, o que representa outro marcante diferencial evolutivo da nossa espécie.

Além do aumento da criatividade, a experiência de emoções positivas está diretamente associada a liberação de hormônios como a oxitocina, que motiva e facilita a interação entre as pessoas e à formação de relacionamentos positivos, outro componente da felicidade ou bem-estar subjetivo.

IMPLICAÇÕES

Além de possibilitar uma compreensão mais ampla e criativa, e, portanto, otimista da realidade, a experiência de emoções positivas está diretamente associada a saúde, já que pessoas que experimentam mais emoções positivas ao longo de determinado período demonstram melhora no sistema imunológico, maior qualidade de sono, melhores níveis respiratórios e cardíacos.

A formação de laços relacionais mais fortes e positivos também está associada a experiência de emoções positivas, o que duplamente orienta a mais felicidade ou bem-estar subjetivo. Mais do que isso, acredita-se que a experiência de emoções positivas seja necessária para “minimizar” os efeitos (ou resíduos) de emoções negativas anteriores, de modo a criar uma espiral positiva para a experiência de novas e mais fortes emoções positivas, bem como maior capacidade para lidar com as negativas. Nas palavras de Fredrickson:

"O alargamento psicológico desencadeado por uma emoção positiva pode aumentar a receptividade de um indivíduo para eventos subsequentes agradáveis ou significativos, aumentando as chances de que o indivíduo encontre um significado positivo nesses eventos e experimente emoções positivas adicionais".

Autor: Henrique Bueno

Fonte: E-book: O que é Felicidade? Uma breve introdução a Psicologia Positiva

 

Saber Sistêmico - Comunidade da Constelação Familiar Sistêmica
Henrique Bueno
Henrique Bueno Seguir

Inspirar as pessoas a (re)descobrirem e, acima de tudo, viverem seus sonhos. Esta é a missão que Henrique Bueno tomou para si quando decidiu tornar-se coach e palestrante.

Ler conteúdo completo
Indicados para você